Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Oliveira de Frades - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Oliveira de Frades

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Oliveira de Frades(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viseu / Oliveira de Frades / Oliveira de Frades, Souto de Lafões e Sejães

Endereço / Local

Praça Luís Bandeira
Oliveira de Frades

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Em 1123, D. Afonso Henriques confirmou uma anterior doação particular (por Rodrigo, alcaide de Coimbra) do couto de Ulveira aos frades do cenóbio de Santa Cruz de Coimbra. Os limites da actual freguesia ainda correspondem genericamente aos originais, conforme ficaram definidos no documento afonsino. Não se lhe conhece foral, mas sabe-se que tinha jurisdição própria desde a Idade Média, e Câmara pelo menos desde o século XVIII, embora pertencesse então ao vasto concelho de Lafões. Foi elevado à categoria de concelho em 1833, embora tivesse sido extinto três anos depois, em 1836, apenas para ser restaurado em 1837. A construção do pelourinho deve datar, portanto, da década de trinta do século XIX. Ainda assim, o monumento não terá permanecido erguido durante muito tempo, já que em 1943 o seu paradeiro é desde há muito desconhecido. Em 1958 encontraram-se dois troços, a base e o fuste, que foram remontados em data incerta, na sequência da descoberta. O monumento, em reconstrução conjectural, foi colocado na Avenida Dr. António José de Almeida, onde também não esteve muito tempo, e de onde foi levado para as traseiras da antiga cadeia, ficando ao abandono. Em 1976 foi novamente reconstruído, desta feita diante do Cine-Teatro. A restauração da sua perdida dignidade foi conseguida apenas em 1995, quando o pelourinho foi implantado no centro histórico de Oliveira de Frades.
A coluna ergue-se sobre uma plataforma quadrangular, de rebordo boleado, parcialmente embebida no pavimento de empedrado. Sobre esta assenta uma base em tronco piramidal truncado, escalonada, de onde irrompe o fuste, cilíndrico e liso, com duas molduras circulares em torno da base e do topo. Não existe capitel, embora o pequeno troço terminal da coluna funcione como arremedo do mesmo. Sustenta directamente uma esfera lisa, de factura recente, ao contrário das restantes peças. Esta esfera pretende substituir o remate original, que seria do mesmo tipo. É encimada, de forma pouco feliz, por um cilindro liso terminando em pinha. Um exame rápido do pelourinho sugere que a única peça moderna seria a esfera, embora o bloco cilíndrico terminal não pareça bem integrado no conjunto. SML

Imagens

Bibliografia

Título

Pelourinhos Portugueses, Tentâmen de Inventário Geral

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

MALAFAIA, E. B. de Ataíde