Saltar para o conteúdo principal da página

Capela de Nossa Senhora dos Remédios - detalhe

Designação

Designação

Capela de Nossa Senhora dos Remédios

Outras Designações / Pesquisas

Ermida de Nossa Senhora dos Remédios do Esporão / Capela de Nossa Senhora dos Remédios / Ermida de Nossa Senhora dos Remédios do Esporão(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Évora / Reguengos de Monsaraz / Reguengos de Monsaraz

Endereço / Local

Herdade do Esporão
Reguengos de Monsaraz

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 28/82, DR, I Série, n.º 47, de 26-02-1982 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Considerada "umas das mais antigas propriedades rigorosamente demarcadas do termo ancestral de Monsaraz" (ESPANCA, 1978), a Herdade do Esporão encontrava-se já delimitada em 1267, pertencendo nesta época a Soeiro Rodrigues, juiz de Évora. No entanto, o morgadio do Esporão só seria instituído em 1427 por D. Teresa Anes da Fonseca, casada com Fernão Lopes Lobo.
Na segunda metade do século XV foi edificada dentro da herdade a torre, ou castelo do Esporão, por ordem de Álvaro Mendes de Vasconcelos, cavaleiro da casa do Duque de Bragança e regedor da cidade de Évora, que na época detinha o morgadio (GONÇALVES, 1975).
No início do século XVI o morgado João Mendes de Vasconcelos, diplomata influente nas cortes de D. Manuel e D. João III, mandou edificar dentro dos limites da propriedade uma ermida, dedicada a Nossa Senhora dos Remédios (ESPANCA, 1978). Desde a sua edificação a capela tornou-se objecto de um "intenso culto popular" na região, que se manteve até ao século XVIII (Idem, ibidem).
A capela apresenta uma curiosa estrutura coroada por merlões, de reminiscências militares, prolongando um modelo do tardo-gótico alentejano. O corpo principal da ermida é precedido por uma galilé de planta rectangular aberta por três arcos plenos, edificada no século XVIII (Idem, ibidem).
O corpo da nave, de espaço único e planimetria rectangular, é totalmente desprovido de decoração, mostrando inclusivamente o aparelho rústico da parede fundeira, que corresponde à fachada principal. Este espaço é coberto por abóbada de aresta assente sobre mísulas de gosto manuelino, cujas chaves ostentam a Cruz de Cristo e o escudo de armas dos primitivos padroeiros (Idem, ibidem).
A capela-mor, de planta quadrada e área menor que a nave, é também coberta por abóbada de arestas, com altar e nicho com imagem da padroeira. No entanto, todo este espaço é totalmente coberto com pinturas murais de exuberantes ornamentos de brutesco e molduras que integram alegorias marianas e do Espírito Santo, executadas em 1711, possivelmente por uma oficina eborense (Idem, ibidem).
Cerca de 2002 a Finagra, sociedade agrícola proprietária da Herdade do Esporão, mandou restaurar a estrutura da capela, incluindo o conjunto de pintura mural.
Catarina Oliveira
GIF/IPPAR/ 20 de Janeiro de 2006

Bibliografia

Título

Monsaraz e o seu Termo, Boletim da Junta Distrital de Évora, nº 2, pp. 56 - 73

Local

Évora

Data

1962

Autor(es)

GONCALVES, José Pires

Título

Inventário Artístico de Portugal - vol. IX (Distrito de Évora, Zona Sul, volume I)

Local

Lisboa

Data

1978

Autor(es)

ESPANCA, Túlio

Título

Santuário Mariano

Local

Lisboa

Data

1933

Autor(es)

SANTA MARIA, Frei Agostinho de

Título

A defesa e solar do Esporão, no termo de Monsaraz, A Cidade de Évora, nº 58, pp. 27 - 81

Local

Évora

Data

1975

Autor(es)

GONCALVES, José Pires