Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Idanha-a-Velha - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Idanha-a-Velha

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Idanha-a-Velha (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Castelo Branco / Idanha-a-Nova / Monsanto e Idanha-a-Velha

Endereço / Local

Praça de Idanha-a-Velha
Idanha-a-Velha

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O pelourinho de Idanha-a-Velha representa a antiga autoridade municipal desta aldeia, na actualidade praticamente desertificada, mas também o último grande esforço dos monarcas portugueses, em efectivar o povoamento sólido e numericamente importante da localidade. Com efeito, coube a D. Manuel I, no amplo processo de reordenamento administrativo, que caracteriza o seu reinado, tentar dinamizar a aldeia, contribuíndo, para isso, com dinheiro para obras na Igreja Matriz (de que resta o alfiz do portal Sul e restos de pintura mural no interior) e dotando a antiga cidade romana de novo impulso municipal, reforçando a sua autoridade sobre a vasta região que administrativamente detinha através de um novo foral, datado de 1510.
A História, contudo, veio provar que, à semelhança do que outros monarcas medievais haviam tentado, a intenção de tornar esta localidade num centro populacional importante estava condenada, à partida. Longe do fulgor da época romana, e reduzida a importância da via da Prata, que por aqui passava, ligando Mérida a Braga, Idanha-a-Velha não mais teria a relevância de outros tempos.
O pelourinho lá está, como símbolo máximo dessas tentativas reais em povoar a cidade. Um fuste oitavado, relativamente delgado, assenta sobre uma plataforma de três degraus circulares, e é coroado por um capitel redondo, de algum impacto artístico e visual, decorado com os elementos típicos do reinado de D. Manuel: a esfera armilar; as armas reais e a Cruz de Cristo. Do projecto decorativo inicial deste pelourinho, faziam ainda parte outros elementos, que a extrema sujidade e o desgaste natural, provocado pela erosão dos tempos, impossibilitam, hoje, a sua leitura.
Depois de séculos de declínio e de ruralização acentuada, o antigo município de Idanha-a-Velha foi declarado extinto em 1879, data em que passou a ser uma freguesia do concelho de Idanha-a-Nova.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

Guia de Portugal, Beira II - Beira Baixa e Beira Alta

Local

Lisboa

Data

1984

Autor(es)

DIONÍSIO, Sant'Ana

Título

Pelourinhos do Distrito de Castelo Branco

Local

Viseu

Data

2000

Autor(es)

-

Título

Idanha-a-Velha. Memórias em imagens

Local

Idanha-a-Nova

Data

2000

Autor(es)

CORTE-REAL, Artur Manuel de Castro

Título

Pelourinhos das Beiras

Local

Lisboa

Data

1936

Autor(es)

CARDOSO, Nuno Catarino

Título

Pelourinhos e Forcas do Distrito de Castelo Branco

Local

Castelo Branco

Data

1935

Autor(es)

DIAS, Jaime Lopes

Título

Beira Baixa. A memória e o olhar

Local

Lisboa

Data

1993

Autor(es)

MARCELO, M. Lopes

Título

A aldeia histórica de Idanha-a-Velha. Guia para uma visita

Local

Idanha-a-Nova

Data

2001

Autor(es)

CRISTÓVÃO, José