Saltar para o conteúdo principal da página

Convento de Santo António dos Capuchos - detalhe

Designação

Designação

Convento de Santo António dos Capuchos

Outras Designações / Pesquisas

Convento de Santo António dos Capuchos(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Convento

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Leiria / Leiria / Leiria, Pousos, Barreira e Cortes

Endereço / Local

Bairro dos Capuchos
Leiria

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 28/82, DR, I Série, n.º 47, de 26-02-1982 (ver Decreto)

ZEP

Portaria n.º 316/94, DR, 1.ª Série-B, n.º 121, de 25-05-1994 (sem restrições) (fixou nova ZEP, com vista à correcção da portaria anterior) (ver Portaria)
Portaria n.º 646/85, DR, I Série, n.º 198, de 29-08-1985 (ver Portaria)

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Na cidade de Leiria, o convento de Santo António dos Capuchos foi a última casa religiosa a ser instituída, depois da instalação dos franciscanos no século XIII, da fundação do convento de San'Ana no século XV, e do convento de Santo Agostinho na segunda metade de Quinhentos. Na realidade, este convento foi estabelecido em 1657, por D. Pedro Vieira da Silva (então secretário de Estado, mas que veio a ser Bispo de Leiria), que se encontra sepultado na igreja.
Desde essa época, foi alvo de duas intervenções, uma no século XVIII e outra no início de Novecentos, conforme as datas inscritas na frontaria da igreja. Nesta medida, o templo primitivo, de dimensões reduzidas, foi ampliado em 1770, época em que se construíram os corpos laterais e, muito possivelmente, os portais laterais barrocos e o revestimento azulejar da nave.
A construção que hoje conhecemos revela alguma erudição arquitectónica, presente quer na igreja quer nas dependências conventuais (COSTA, 1989, p. 41). A entrada para o templo insere-se numa opção muito característica da arquitectura dos capuchos, com uma galilé profunda, de arcaria central dórica, mais alta, enquadrada por vãos rectangulares. Sobrepõem-se-lhe as duas janelas do coro, de verga recta e de composição austera. Ladeiam este conjunto, os dois portais, com certeza correspondentes à campanha de 1770, de frontões contracurvados, encimados por óculo e cartela. O portal da igreja, de linguagem setecentista, é de verga semicircular, com frontão de volutas interrompido.
O interior, onde se articulava a nave e a capela-mor rectangulares, foi alvo de profundas alterações, mas ainda subsistem alguns vestígios de pintura mural de brutescos, que decoravam as paredes da nave, em conjunto com os azulejos polícromos, estes já desaparecidos. A Sul encontrava-se a capela dos Capuchinhos, sagrada em 1904, conforme a inscrição patente na fachada, mas que foi, também, muito adulterada. A Norte, desenvolvem-se as dependências conventuais, articuladas em torno de um claustro de planta rectangular.
Com a extinção das Ordens Religiosas, em 1834, o convento ficou na posse do Estado que, em 1864, o transformou em Hospital Militar (SEQUEIRA, 1955).
Já no século XX, em 1904, a igreja foi alvo de uma intervenção de restauro, o que não impediu a profunda ruína em que incorreu posteriormente.
Rosário Carvalho

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal - Aveiro, Beja, Coimbra, Évora, Leiria, Portalegre, Porto e Santarém

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos

Título

Leiria

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

COSTA, Lucília Verdelho da