Saltar para o conteúdo principal da página

Forte de Âncora - detalhe

Designação

Designação

Forte de Âncora

Outras Designações / Pesquisas

Forte da Lagarteira (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Forte

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Caminha / Âncora

Endereço / Local

-- -
Vila Praia de Ãncora

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Retificação publicada no DG, I Série, n.º 59, de 10-03-1967 (localização corrigida para o concelho de Caminha) (ver Retificação)
Decreto n.º 47 508, DG, I Série, n.º 20, de 24-01-1967 (indicado o concelho de Viana do Castelo) (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
O Forte de Âncora foi edificado sobre um maciço rochoso implantado na margem direita da foz do rio Âncora, num local designado Lagarteira. Localmente, esta fortificação é também conhecida pela toponímia do lugar.
O forte desenvolve-se em planta estrelada irregular, sendo composto por quatro baluartes dispostos a cada uma das extremidades da estrela, e uma bateria de três faces com plataforma, voltada ao rio. Os panos murários, em talude, possuem em toda a sua extensão um parapeito curvo. Em cada um dos cunhais ergue-se uma guarita facetada, coroada por bola. A bateria exibe canhoeiras e o balcão, fechado e com bueiros, assenta sobre três modilhões.
No pano murário localizado entre os baluartes este e noroeste foi rasgada a porta de armas, constituída por portal de arco pleno com aduelas, encimado por escudo com as armas de Portugal coroadas e ladeadas por volutas.
No interior, a praça de armas é enquadrada por três edifícios de quartel adossados que formam um U. À esquerda da porta ergue-se uma rampa de acesso à bateria, que é complementada por rampa congénere, disposta assimetricamente na extremidade oposta da praça, sobre o edifício de fundo. Os aquartelamentos, de planta retangular, possuem cobertura abobadada.
História
O Forte da Âncora, ou da Lagarteira, é uma estrutura erigida na última década do século XVII para reforçar o sistema defensivo já então estabelecido na zona fronteiriça do Minho.
Embora se pudesse supor que a sua construção foi realizada entre 1641 e 1668, durante a Guerra da Restauração, a documentação local comprova que nesta última data a fortaleza da Lagarteira não estava ainda construída. Uma sessão da Câmara de Viana da Foz do Lima de 1683 descreve um pedido do Dr. Monteiro Monterroio, que então apontava a necessidade de se edificarem redutos e plataformas na foz do rio Âncora e no lugar de Montedor, para que aí se pudessem colocar vigias e depositar peças de artilharia. Este pedido confirma assim que em Âncora, nessa data, não existia nenhuma estrutura fortificada.
O forte terá sido erguido entre os anos de 1699 e 1702 (GUERRA: 1926, p. 688), por ordem do rei D. Pedro II, integrando-se num conjunto de fortificações construídas ao mesmo tempo entre as zonas de Vila Praia de Âncora e Esposende. Esta empreitada militar regional, num período muito posterior à Guerra da Restauração, permite considerar que na última década de Seiscentos foi elaborado um plano construtivo de novas estruturas militares para reforçar a linha de defesa da fronteira noroeste do Reino, dependente do poder de fogo das fortalezas já existentes no litoral minhoto, então considerado insuficiente. À época, foram edificados na zona entre os rios Minho e Lima, além da fortaleza da Lagarteira, o Forte do Cão e os fortins da Areosa e de Montedor.
Desconhece-se até que data a praça do Forte de Âncora esteve ativa, sabendo-se apenas que em Novembro de 1939 o imóvel foi cedido ao Ministério da Marinha. Já na segunda metade do século XX foi objeto de obras de conservação e requalificação nos anos de 1955, 1980 e 1997.
Foi classificado como de interesse público em 1967, albergando atualmente a Delegação Marítima de Vila Praia de Âncora, integrada na Capitania do Porto de Caminha.
Catarina Oliveira
DGPC, 2020

Imagens

Bibliografia

Título

Os mais belos castelos e fortalezas de Portugal

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

GIL, Júlio, CABRITA, Augusto

Título

Teoria y proyeto sobre las fortificaciones militares al nuerte del Duero

Local

Vila Nova de Gaia

Data

1987

Autor(es)

FERNANDEZ NUNEZ, Estanislao

Título

Alto Minho

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

Castelos do Distrito de Viana

Local

Coimbra

Data

1926

Autor(es)

GUERRA, Luís Figueiredo da

Título

Do rigor teórico à urgência prática: a arquitectura militar, História da Arte em Portugal, vol. 8

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

MOREIRA, Rafael

Título

Guia de Inventário - Fortificações medievais e modernas

Local

-

Data

2015

Autor(es)

NOÉ, Paula