Saltar para o conteúdo principal da página

Castelo de Aljustrel e Igreja de Nossa Senhora do Castelo - detalhe

Designação

Designação

Castelo de Aljustrel e Igreja de Nossa Senhora do Castelo

Outras Designações / Pesquisas

Castelo de Aljustrel (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt) / Igreja de Nossa Senhora do Castelo (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Beja / Aljustrel / Aljustrel e Rio de Moinhos

Endereço / Local

-- -
Aljustrel

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 26-A/92, DR, I Série-B, n.º 126, de 1-06-1992 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Dominante sobre uma extensa faixa de território do Baixo Alentejo, o morro onde se situa o Castelo de Aljustrel foi ocupado desde o Neolítico e identificaram-se níveis estratigráficos do Calcolítico, que revelaram fragmentos de sílex e cerâmicas com bordos denteados. A esta primeira fase ter-se-á seguido um interrogante hiato, não tendo as escavações resgatado quaisquer materiais proto-históricos e romanos.
A primitiva configuração do castelo ocorreu durante o período islâmico, de que se revelaram alguns troços de muralha em taipa. Desconhece-se a data em que se definiu essa estrutura militar, mas é de supor que tenha ocorrido em momentos mais tardios da ocupação islâmica, em concreto no século XIII, no contexto da perda da praça forte de Alcácer do Sal (CORREIA, 1992: 69). A investigação arqueológica revelou ainda materiais que recuam até ao século IX (RAMOS, MARTINS, MURALHA e ESTORNINHO, 1993: 15), o que atesta a efectiva importância do castelo para o complexo civilizacional muçulmano do Sudoeste peninsular.
A conquista de Aljustrel pelas tropas portuguesas, em 1234, marcou o início de uma nova era na história do castelo. Em 1235, D. Sancho II doou-o à Ordem de Santiago, acto sancionado pelo seu sucessor, D. Afonso III em 1255. Não só o castelo passava a integrar a linha defensiva imediata, face às possessões islâmicas no Algarve, como passava para a posse da coroa o importante estatuto de administração das minas de Aljustrel. A presença na vila de D. Paio Peres Correia, Mestre de Santiago, não é de estranhar, tendo em consideração a necessidade de pontos de apoio para a Ordem na preparação dos ataques aos castelos mais a Sul nesses meados do século XIII.
Desconhecem-se, todavia, quais as alterações introduzidas pela nova ordem cristã. Pouco depois, com a conquista definitiva do Algarve, Aljustrel perdeu grande parte da sua relevância estratégica e a fortaleza entrou em declínio, razão pela qual dela hoje pouco mais resta que alguns troços e a memória do topónimo e da igreja.
Este templo é o resultado de sucessivas fases construtivas. Em 1482 aparece mencionada como Ermida de Santa Maria do Castelo e, em 1510, era uma simples casa de taipa com contrafortes de pedra (DIAS, 1993: 81), sem capela-mor e demais pormenores construtivos e decorativos assinaláveis. Na viragem para o século XVII deu-se corpo à construção actual, composta por nave e capela-mor e dependências de apoio de ambos os lados, algumas destinadas a apoiar as romarias. A galilé que hoje antecede o monumento é já posterior, do século XVIII, assim como o extenso escadório que liga o adro da igreja à vila, principal peça cenográfica que o Barroco legou ao património de Aljustrel. A nave é relativamente pequena, de apenas dois tramos cobertos por abóbada de pronunciada cruzaria de ogivas, enquanto que a capela-mor ostenta abóbada de berço e retábulo neoclássico que cobre a parede fundeira. O conjunto é reforçado lateralmente por contrafortes de diferentes formulações, característica da arquitectura meridional do país, mas também sintoma dos distintos espaços adossados ao longo dos tempos.
Paulo Fernandes | DIDA | IGESPAR, I.P.
01.08.2007

Imagens

Bibliografia

Título

Aljustrel. Monografia

Local

Aljustrel

Data

1983

Autor(es)

LOBATO, João Rodrigues

Título

Ermidas e capelas do concelho de Aljustrel, Vipasca, nº2, pp.79-90

Local

Aljustrel

Data

1993

Autor(es)

DIAS, Maria da Graça

Título

O Castelo de Aljustrel. Uma tentativa de interpretação, Vipasca, nº1, pp.67-72

Local

Aljustrel

Data

1992

Autor(es)

CORREIA, Fernando M. R. Branco

Título

O Castelo de Aljustrel - campanhas de 1989 e 1992, Vipasca, nº2, pp.11-40

Local

Aljustrel

Data

1993

Autor(es)

ESTORNINHO, Alexandra, RAMOS, Carlos, MURALHA, João, MARTINS, Artur Manuel Gonçalves

Título

Aljustrel no século XIII: subsídios para o estudo da Ordem de Santiago da Espada, Vipasca, nº1, pp.73-80

Local

Aljustrel

Data

1992

Autor(es)

DIAS, Maria da Graça