Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja do Antigo Colégio de Santo António da Estrela - detalhe

Designação

Designação

Igreja do Antigo Colégio de Santo António da Estrela

Outras Designações / Pesquisas

Colégio de Santo António da Estrela / Junta de Freguesia de Almedina (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Coimbra / Coimbra (Sé Nova, Santa Cruz, Almedina e São Bartolomeu)

Endereço / Local

Rua da Estrela
Coimbra

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 2/96, DR, 1.ª série B, n.º 56, de 6-03-1996 (ver Decreto)

ZEP

Despacho de 18-02-2010 do director do IGESPAR, I.P. a devolver o processo à DRC do Centro
Parecer de 20-01-2010 do Conselho Consultivo a propor que seja apresentada nova proposta
Proposta de 9-11-2009 da DRC do Centro para a ZEP dos imóveis classificados e em vias de classificação do Centro Histórico de Coimbra

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Tradicionalmente, o sítio da Estrela é associado a edificações de grande significado no contexto da cidade de Coimbra. De facto, e se a antiga igreja do Colégio de Santo António da Estrela é o único elemento subsistente desta estrutura, as obras efectuadas aquando da construção da casa que hoje acolhe o Governo Civil do distrito, revelaram inúmeros vestígios arqueológicos provenientes das várias edificações anteriores. Para além de fragmentos de pavimentos e de construções do período romano, surgiram ainda capitéis duplos e respectivos colunelos do século XIII (GONÇALVES, CORREIA, 1947). Estes últimos poderiam ter integrado uma galeria do Palácio das filhas de D. Sancho I, que se pensa aí ter existido.
O primeiro reitor da Universidade de Coimbra, D. Garcia de Almeida, teve também o seu Palácio neste espaço, onde chegaram mesmo a decorrer, provisoriamente, algumas aulas. Os contrafortes cilíndricos ainda visíveis, testemunham uma edificação do início do século XVI. Tal como o portal manuelino da igreja que, segundo alguns autores, poderia remontar a esta edificação (GONÇALVES, CORREIA, 1947). No entanto, outros investigadores defendem uma proveniência diferente para este elemento - a Casa dos Cunhas, que foram Senhores de Pombeiro da Beira (BORGES, 1987, p. 91).
Em 1554 um incêndio destruiu o Palácio. A construção que lhe sucedeu, pertencente ao Conde de Santa Cruz, conhece-se através de um desenho de 1669 da autoria de Baldi, que permite identificar um edifício sem características particulares, à excepção do torreão. Dois anos depois da criação da nova Província da Conceição dos Capuchos, que compreendia a Beira e o Minho, o provincial Frei Ambrósio de Santo Agostinho iniciou, com a licença de D. João V, o processo para a fundação de um Colégio, cuja primeira pedra foi lançada a 29 de Março de 1715 pelo bispo-conde D. António de Vasconcelos, em casas cedidas por D. Martinho de Mascarenhas. Imagens da cidade de Coimbra do início do século revelam um edifício utilitário, que se destacava na paisagem envolvente pelas suas dimensões consideráveis (GONÇALVES, CORREIA, 1947).
Quando em 1834 o colégio foi secularizado, sofreu diversas ocupações até que um novo incêndio destruiu a fábrica de massas que então aí se encontrava instalada. Consta que em 1923 decorria um processo de transformação do antigo colégio em hotel, sob projecto de Raul Lino, que não chegou a ser efectuado, pois em 1924 o edifício foi adquirido pelo cirurgião Ângelo da Fonseca que contratou o mesmo arquitecto para projectar a sua residência. Raul Lino integrou neste solar os claustros e o portal barroco do Colégio, que colocou à entrada da capela particular, contemporânea do palacete. Actualmente o edifício acolhe o Governo Civil, tendo sofrido ligeiras alterações de adaptação que não lhe alteraram significativamente a traça original.
A igreja, único elemento subsistente do antigo Colégio, apresenta planta de nave única e capela-mor, ambas com abóbada de tijolo, e coro alto assente sobre abóbada abatida à entrada da igreja. A argamassa das paredes indicia um revestimento azulejar actualmente inexistente. A fachada, ladeada por cunhais rusticados, é rematada por frontão em forma de cordões, com óculo oval ao centro. O portal manuelino exibe cordão de nós desde as bases compostas e, na chave, um escudo liso revela a seguinte inscrição: SPES MEA IM / DEO ESTE.
A porta do Colégio, actualmente na capela, apresenta vão em arco rebaixado entre pilastras, rematado por frontão interrompido e outros motivos. Ao centro, o emblema da congregação - Nossa Senhora da Conceição com o cordão franciscano e as armas de Portugal.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Coimbra e Região

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

BORGES, Nelson Correia

Título

Inventário Artístico de Portugal - Aveiro, Beja, Coimbra, Évora, Leiria, Portalegre, Porto e Santarém

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos