Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Mafra - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Mafra

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Mafra (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Mafra / Mafra

Endereço / Local

Rua José Elias Garcia
Mafra

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O primeiro foral de Mafra foi concedido à povoação em 1190, das mãos de D. Nicolau, Bispo de Silves, seu donatário por mercê de D. Sancho I. Sucedeu-se o foral de D. Manuel, datado de 1513, atestando da relativa importância da povoação nesta época, muito embora ainda estivesse distante o esplendor setecentista que Mafra alcançaria. Na sequência do diploma manuelino, é provável que tenha sido erguido um pelourinho de feição moderna, à semelhança do que então se fazia por todo o reino. Porém, o actual pelourinho de Mafra datará de finais do século XVII ou do século XVIII. Trata-se de um monumento constituído por um soco de três degraus octogonais, de parapeito, sobre o qual se ergue o fuste, relativamente baixo e atarracado, de clara tipologia barroca. O tronco forma uma primeira secção estreitando a baixa altura, ao modo de tambor, e voltando a alargar, para formar um sino igualmente facetado, subindo a meia altura. Aí estrangula-se novamente, apresentando um pequeno rebordo, sobre o qual se ergue a metade superior uma coluna bojuda e lisa, sustentando um singelo capitel quadrado com remate piramidal (em pinha). Sendo um monumento pouco elegante, ainda assim se compreende a lógica da sua formulação barroca; a vila recebeu particular notabilidade após a construção do monumental conjunto do convento, basílica e palácio real joanino, de construção setecentista, e um eventual pelourinho de estilo manuelino reflectiria acima de tudo uma época na qual Mafra se resumia à Vila Velha, burgo de relevância menor.
Sílvia Leite

Imagens

Bibliografia

Título

Pelourinhos Portugueses, Tentâmen de Inventário Geral

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

MALAFAIA, E. B. de Ataíde

Título

Carta do Património do Concelho de Mafra. 2. Pelourinhos, Boletim Cultural '94, pp. 319-326

Local

Mafra

Data

1995

Autor(es)

VILAR, Maria do Carmo

Título

Identidades. Património Arquitectónico do Concelho de Mafra

Local

Mafra

Data

2009

Autor(es)

FERNANDES, Paulo Almeida, VILAR, Maria do Carmo