Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de Nossa Senhora da Conceição - detalhe

Designação

Designação

Igreja de Nossa Senhora da Conceição

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Paroquial de Mação / Igreja de Nossa Senhora da Conceição(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Santarém / Mação / Mação, Penhascoso e Aboboreira

Endereço / Local

- -
Mação

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 95/78, DR, I Série, n.º 210, de 12-09-1978 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A vila de Mação começou por ser um pequeno lugar dependente do castelo de Belver, ainda antes da formação da nacionalidade, verificando-se a partir de meados do século XII um progressivo crescimento social e económico do povoado que perdurou até ao reinado de D. Dinis.
Foi a rainha Santa Isabel quem concedeu o primeiro foral à povoação de Mação, sendo o diploma renovado por D. Pedro I em 1355, sendo a vila nesta época sede de concelho.
A igreja matriz terá sido edificada na época em que o concelho de Mação se formou, embora actualmente não restem vestígios do templo medieval. O edifício que serve de sede de paróquia foi edificado nos finais do século XVI, por ordem de Filipe I, tendo sido gravada no tímpano do portal principal a data 1597, aludindo certamente ao ano em que foi concluída a fábrica de obras.
O templo apresenta um modelo maneirista de planta rectangular, sendo de destacar as dimensões da sua estrutura. A fachada é marcada pela disposição da torre sineira, edificada do lado esquerdo destacada da linha do frontispício, e o portal, rasgado ao centro do pano murário, de moldura rectangular rematado por frontão com aletas. Ao corpo da igreja, junto ao espaço da cabeceira, foram adossadas duas sacristias de diferentes dimensões, uma em cada fachada lateral.
O interior divide-se em três naves cobertas por tecto de madeira, divididas em cinco tramos, cujos arcos assentam sobre colunas toscanas. Ao fundo foi edificado o coro-alto. Parte dos panos murários foram decorados com painéis de azulejos de padrão polícromos, datados de 1644, que enquadram composições com temas cristológicos e marianos.
O arco triunfal assenta sobre duas pilastras toscanas, abrindo para o espaço da capela-mor, coberto por abóbada de berço. Aqui foi edificado o retábulo-mor, de talha dourada em estilo nacional. No frontal do altar-mor foi pintada uma reprodução da Última Ceia de Domenico Ghirlandaio, executada em 1931 pelo pintor italiano Leopoldo Battistini.
Catarina Oliveira
IPPAR/2003

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal - Aveiro, Beja, Coimbra, Évora, Leiria, Portalegre, Porto e Santarém

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos