Saltar para o conteúdo principal da página

Anta de Pendilhe ou Casa da Moira ou Anta da Orca de Pendilhe - detalhe

Designação

Designação

Anta de Pendilhe ou Casa da Moira ou Anta da Orca de Pendilhe

Outras Designações / Pesquisas

Anta de Pendilhe / Orca de Pendilhe / Casa da Moira(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Anta

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viseu / Vila Nova de Paiva / Pendilhe

Endereço / Local

-- -
Orca

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 5/2002, DR, I Série-B. n.º 42, de 19-02-2002 (ver Decreto)

ZEP

Parecer favorável de 23-04-2008 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P. (a ZEP sé entra em vigor após publicação no DR)
Proposta de 20-12-2007 da DRCCentro

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Recentemente classificada, a "Anta de Pendilhe" situa-se na localidade que lhe deu nome, sendo localmente mais conhecida por "Casa da Moura".
Uma designação que revela bem as lendas que desde cedo povoaram o imaginário popular, atribuindo a construção e fruição destes exemplares arqueológicos ao período da ocupação islâmica do actual território português. Uma dedução compreensível à luz da noção de "tempo" antigo vigente ao longo dos séculos, mesmo depois de o annus mirabilis da Arqueologia (1859) acrescentar algumas novidades, sobretudo no respeitante ao olhar sobre a antiguidade humana, remetendo-a para um período bastante anterior ao consagrado nas "Sagradas Escrituras".
Estamos, assim, perante um monumento megalítico funerário erguido durante o Neo-calcolítico estabelecido para esta região do actual território português.
Composto de câmara funerária de planta poligonal composta de nove esteios (o maior dos quais correspondente ao de cabeceira, onde existiram pinturas), ostentando ainda a laje - ou "chapéu" - de cobertura, o dólmen - ou anta, como são mais conhecidos estes exemplares no interior do nosso país - exibe um longo corredor com quatro metros de comprimento (embora remanesçam apenas dois dos seus primitivos esteios), tendo a mamôa - ou tumulus - sido entretanto destruída pelos sucessivos trabalhos agrícolas desenvolvidos nas suas imediações.
De um ponto de vista meramente morfológico, este exemplar inserir-se-á num dos tipos de sepulcros sob tumulus propostos para o megalitismo da Beira Alta (JORGE, S. O., 1994, pp. 134-135) e, mais propriamente, no segundo grande agrupamento apresentado neste esquema, onde se incluem os "[...] dólmens de câmara, em regra, poligonal, e corredor bem diferenciado (curto ou longo) [...]." (Id., Idem, p. 135), edificados grosso modo entre os finais do IV-inícios do III milénio a. C., coincidindo, por conseguinte, com o entendimento genérico de Neolítico final desta região.
É, em todo o caso, possível que as diferentes morfologias observadas nos dolmens da Beira Alta tenham coexistido e não resultem, propriamente, de um processo evolutivo tout court, decorrendo, pelo contrário, "[...] de uma diferenciação social emergente no seio de comunidades ainda de raiz igualitária; e, neste sentido, o interesse do estudo do megalitismo poderá ser o de ter fossilizado, sob a forma de uma arquitectura da terra e da pedra, um processo capital de evolução estrutural da sociedade. (Ibid.).
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

Guia de Portugal, Beira II - Beira Baixa e Beira Alta

Local

Lisboa

Data

1984

Autor(es)

DIONÍSIO, Sant'Ana

Título

A consolidação do sistema agro-pastoril, Nova História de Portugal

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

JORGE, Susana de Oliveira

Título

Desenvolvimento da hierarquização social e da metalurgia, Nova História de Portugal

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

JORGE, Susana de Oliveira

Título

300 Sítios arqueológicos visitáveis em Portugal, Al-madan

Local

Almada

Data

2001

Autor(es)

RAPOSO, Jorge

Título

Características predominantes do grupo dolménico da Beira Alta, Beira Alta

Local

Viseu

Data

1966

Autor(es)

MOITA, Irisalva Nóbrega