Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja Paroquial de Castelo Viegas - detalhe

Designação

Designação

Igreja Paroquial de Castelo Viegas

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Matriz de Santo Estêvão / Igreja Paroquial de Castelo Viegas / Igreja de Santo Estêvão (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Coimbra / Santa Clara e Castelo Viegas

Endereço / Local

Rua de Santo Estêvão
Castelo Viegas

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 5/2002, DR, I Série-B. n.º 42, de 19-02-2002 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A povoação de Castelo Viegas deve o seu topónimo à existência de um castelo ou torre de defesa medieval, propriedade de Salvador Viegas ou Venegas, da qual já não restam vestígios. Toda a região, próxima da cidade de Coimbra, configura uma área de transição para a montanha, disposta sobre o vale da foz do Ceira, onde existiam várias pequenas fortificações, caso da vizinha e arruinada torre de Bera. As terras onde se erguia a torre de Viegas foram doadas ao mosteiro de São Jorge de Milreus em meados do século XII, quando o mosteiro atingira grande prosperidade, estando na origem da carta de povoação dada aos habitantes da zona logo em 1165. A povoação desenvolveu-se naturalmente ao longo da encosta, e em pleno século XVI estava já centrada na sua zona mais baixa, sobre os terrenos de cultivo situados no vale. O edifício da igreja paroquial, datando já do último terço de Quinhentos, terá sido construído a par de arrastadas obras então em curso na igreja do mosteiro. A capela do Santíssimo, no interior da paroquial, tem no fecho do arco de entrada a data de 1571, altura na qual terá sido realizado também o seu retábulo em pedra. Na capela fronteira existe um retábulo do mesmo género, este datado de 1633, demonstrando a continuidade do investimento, de algum vulto, mantido na região, e que mais uma vez acompanha campanhas construtivas realizadas no mosteiro de São Jorge, ainda um importante foco religioso; de facto, a década de 50 do século XVII corresponde a novo apogeu do cenóbio. A igreja de Santo Estêvão de Castelo Viegas, de belíssimo enquadramento paisagístico, distribui-se em volumes escalonados constituídos pelo templo e pelo adro, com lanços de escadaria e patamares lançados na encosta. De tipologia muito singela, possui nave única, coberta com tecto de madeira, e capela-mor rectangular com abóbada de berço, aberta por arco triunfal de volta perfeita. As duas capelas laterais são cobertas com abóbadas pétreas, e na capela do lado do Evangelho destaca-se a parede fundeira, revestida com silhares oitocentistas de azulejos azuis e brancos, de fabrico regional, com cenas da Vida da Virgem. Na fachada principal, de empena triangular, avulta o portal principal, de vão recto, com um singelo frontão curvo encimado por pequeno óculo redondo. Mais interessante é a fachada Sul, com portal semelhante, mas rematado por um busto relevado do Padre-Eterno. Originalmente erguia-se na fachada um campanário, substituído já no século XX pela actual torre sineira. SML

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal: distrito de Coimbra

Local

Lisboa

Data

1952

Autor(es)

GONCALVES, António Nogueira, CORREIA, Vergílio

Título

Coimbra e Região

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

BORGES, Nelson Correia

Título

Património Edificado com Interesse Cultural - Concelho de Coimbra

Local

Coimbra

Data

2009

Autor(es)

Câmara Municipal de Coimbra - Departamento de Cultura