Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de Nossa Senhora da Assunção, matriz de Oriola - detalhe

Designação

Designação

Igreja de Nossa Senhora da Assunção, matriz de Oriola

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Matriz de Oriola / Capela da Senhora da Assunção / Capela de Nossa Senhora da Assunção / Igreja Paroquial de Oriola / Igreja de Nossa Senhora da Assunção(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Évora / Portel / São Bartolomeu do Outeiro e Oriola

Endereço / Local

- Herdade das Torres
Oriola

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 249/2013, DR, 2.ª série, n.º 79, de 23-04-2013 (ver Portaria)
Procedimento prorrogado até 30-06-2013 pelo Decreto-Lei n.º 265/2012, DR, 1.ª série, n.º 251, de 28-12-2012 (ver Diploma)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 13-11-2012 da diretora-geral da DGPC
Procedimento prorrogado pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Anúncio n.º 15782/2011, DR, 2.ª série, n.º 209, de 31-10-2011 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 11-04-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer de 23-02-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor a classificação como de IP
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Proposta de 6-11-2009 da DRC do Alentejo para a classificação como IIP
Parecer de 3-03-2009 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P. a propor que se mantenha o processo para IIP
Proposta de desclassificação de 29-07-2008 da DRC do Alentejo, atendendo ao estado da igreja
Despacho de homologação de 18-04-1977 do Secretário de Estado da Investigação Científica
Parecer de 1-04-1977 da da 4.ª Subsecção da 2.ª Secção da JNE a propor classificação como IIP
Proposta de classificação de 27-10-1976 da Comissão da Carta Arqueológica do Património

ZEP

Portaria n.º 249/2013, DR, 2.ª série, n.º 79, de 23-04-2014 (sem restrições) (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 13-11-2012 da diretora-geral da DGPC
Anúncio n.º 15782/2011, DR, 2.ª série, n.º 209, de 31-10-2011 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 11-04-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer favorável de 23-02-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta de 15-03-2010 da DRC do Alentejo
Devolvido à DRC do Alentejo por despacho de 11-02-2010 do diretor do IGESPAR, I.P., para aplicação do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, n.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma)
Proposta de 6-11-2009 da DRC do Alentejo

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A igreja de Nossa Senhora da Assunção, matriz de Oriola, situa-se na Herdade das Torres, nos arredores de Oriola, junto à margem direita da Ribeira de Odivelas, em zona sazonalmente alagada pela barragem do Alvito. O actual templo, dos finais do século XV, inícios do XVI, sucede a um outro, de invocação a Santa Maria, já existente em 1270, marco de religiosidade e urbanidade da vila de Oriola, que na altura se situava na Herdade da Represa, hoje designada Herdade das Torres.
A actual igreja, um interessante exemplar da arquitectura alentejana do gótico final, de uma só nave, com cobertura de abóbada de nervuras, suportada por contrafortes, coroados por coruchéus cónicos, encontra-se, tal como os anexos, em avançado estado de degradação, devido, pelo menos parcialmente, ao seu isolamento. Por outro lado, existe pelas razões já expostas, um claro divórcio, entre os paroquianos e esta igreja, dado que em determinadas partes do ano, a mesma não é acessível.
O templo apresenta uma fachada, antecedida por nartex, de três arcadas, coroado superiormente por tabela circular, com inscrição da Ordem de Malta, a rematar o conjunto, campanário decorado com volutas, de época posterior. A frontaria é ainda flanqueada por contrafortes diagonais. As fachadas laterais apresentam contrafortes, coroados por coruchéus cónicos, como acontece por exemplo na igreja de S. Francisco de Évora, ou na ermida de S. Brás, também daquela cidade.
A planta é longitudinal composta de uma nave, capela-mor de planta quadrada e sacristia; a norte apresenta dependência lateral. A cobertura, como é comum nas igrejas do gótico final alentejano, é de nervuras, que descansam em mísulas embebidas nas paredes. A sacristia, contemporânea do imóvel, apresenta também, abóbada nervurada. Arco de triunfo, de granito, de volta perfeita, assente em colunelos embebidos, antecede a capela-mor. O altar-mor apresenta retábulo de talha dourada e marmoreada, segundo os cânones da talha rococó da escola de Évora e é provavelmente da autoria de mestres daquela cidade. Este retábulo é composto por colunas salomónicas, decoradas por grinaldas, que enquadram nicho central e peanhas laterais. O coroamento superior do retábulo é feito por cartela com o símbolo da Ordem de Malta, rematado por frontão recortado. O arco do triunfo é ladeado por dois altares, também de talha dourada, do início do século XVIII, de invocação a Nossa Senhora da Conceição, correspondendo ao lado do Evangelho e às Santas Almas, o lado da Epístola.
A decoração do templo é ainda completada por pintura mural, neoclássica, de inspiração pompeiana. Na cabeceira, estão representados os atributos do Santíssimo Sacramento e na área do baixo coro, decoração de gregas e grinaldas, com sabor popular. Ana Maria Borges, DRCA, Junho de 2009

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal - vol. IX (Distrito de Évora, Zona Sul, volume I)

Local

Lisboa

Data

1978

Autor(es)

ESPANCA, Túlio