Saltar para o conteúdo principal da página

Muralhas do Antigo Castelo de Odemira (troços existentes) - detalhe

Designação

Designação

Muralhas do Antigo Castelo de Odemira (troços existentes)

Outras Designações / Pesquisas

Castelo de Odemira (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Muralha

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Beja / Odemira / São Salvador e Santa Maria

Endereço / Local

-- -
Odemira

Proteção

Situação Actual

Procedimento caducado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Procedimento caducado nos termos do artigo 78.º do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, N.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

São muito obscuras as origens do castelo de Odemira. A investigação arqueológica ainda não logrou identificar as fases de ocupação do promontório onde se implantou a fortaleza medieval, enquanto que as interpretações tradicionais apontam para uma primeira ocupação romana, provavelmente um oppidum, dada a acentuada altura do terreno em que se implanta. Numa prospecção recentemente realizada, foi possível verificar que existiu um povoado fortificado com ocupação desde a Idade do Bronze, situação determinada certamente pela localização e implantação deste monte, dominante sobre o vale do rio Mira e numa zona fulcral de comunicação entre o litoral e o interior.
Durante a época islâmica, é de supor que aqui tenha existido uma comunidade organizada, mas nada se sabe acerca da eventual alcáçova que tutelava a vila. À superfície não se detectaram materiais assinaláveis, mas D. Afonso Henriques conquistou o território em 1166. Por essa altura, já Odemira deveria ter castelo, ainda que nada se saiba acerca da sua configuração.
Em 1245, D. Paio Peres Correia, Mestre da Ordem de Santiago, doou o seu castelo ao bispo do Porto, doação que prova ser a vila muralhada. Em 1256, a localidade foi agraciada com foral por D. Afonso III, apontando-se esta data como ano aproximado da reconstrução da fortaleza, agora tipologicamente vinculada às determinantes góticas. Infelizmente, da obra então realizada praticamente nada sobreviveu. No ponto mais elevado da vila, desenvolvendo-se em espécie de cunha de contorno ligeiramente oval, ergue-se uma esplanada definida pelo que resta da antiga muralha, reconstruída no século XX. Da cerca medieval, da sua organização interna, portas e torres nada chegou até hoje, embora subsista um troço reconstruído a que se associa a base de uma torre quadrangular.
Com D. Dinis, em 1319, Odemira foi doada ao almirante Manuel Pessanha, genovês que teve a seu cargo o comando da armada portuguesa. Supõe-se que a fortaleza foi então reforçada por uma segunda cerca, cuja finalidade era a de proteger a vila que se desenvolvia à sombra do castelo. No entanto, também dessa segunda linha pouco ou nada chegou até aos nossos dias e as múltiplas transformações urbanas por que passou a localidade nos séculos seguintes, dificulta o reconhecimento desta medieval definição urbanística.
No século XV, o castelo de Odemira deveria ainda revelar a configuração geral dos tempos imediatamente anteriores, mas a perda de funcionalidade da fortaleza, em benefício de pontos militares costeiros, ditou a sua progressiva decadência. Assim se compreende que os escassos vestígios que chegaram até nós estejam de tal forma adulterados, que só um projecto arqueológico de grande envergadura possa resgatar informações concludentes acerca das sucessivas fases de ocupação do castelo. Em 1974, sem recurso à arqueologia, a DGEMN empreendeu obras de remoção de terras, com vista à definição da muralha original, mas os resultados revelaram-se pouco significativos, e a construção da esplanada ditou mais uma fase de destruição do castelo.
PAF

Bibliografia

Título

Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses

Local

Lisboa

Data

1948

Autor(es)

ALMEIDA, João de

Título

Odemira. Subsídios para uma monografia

Local

Odemira

Data

1989

Autor(es)

QUARESMA, António Martins