Saltar para o conteúdo principal da página

Três grutas situadas na freguesia de São Bartolomeu - detalhe

Designação

Designação

Três grutas situadas na freguesia de São Bartolomeu

Outras Designações / Pesquisas

Grutas de São Bartolomeu / Três grutas em São Bartolomeu dos Galegos(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Gruta

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lourinhã / São Bartolomeu dos Galegos e Moledo

Endereço / Local

Estrada de São Bartolomeu a Reguengo Grande
São Bartolomeu dos Galegos

Lapa do Reguengo Pequeno
São Bartolomeu dos Galegos

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 32 973, DG, I Série n.º 175, de 18-08-1943 (ver Decreto)
Decreto n.º 30 838, DG, I Série, n.º 254, de 1-11-1940 (ver Decreto) (suspendeu o diploma anterior quanto aos imóveis que fossem propriedade particular, até que se cumprisse o disposto no art.º 25.º do Decreto n.º 20 985, DG, I Série, n.º 56, de 7-03-1932 (ver Decreto))
Decreto n.º 30 762, DG, I Série, n.º 225, de 26-09-1940 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Mundialmente conhecido pela denominada "Rota dos Dinossauros", o território correspondente na actualidade ao concelho da Lourinhã é detentor de ampla riqueza arqueológica, como comprovará, ademais, a conhecida "Rota do Planalto das Cesaredas", estabelecida pelo próprio município com vista à divulgação da diversidade do património natural e edificado do seu termo.
Na continuação do complexo serrano de Aire e de Montejunto, o terreno calcário, com cerca de 140 milhões de anos, deste Planalto mereceu desde cedo a atenção dos nossos primeiros geólogos e pioneiros dos estudos pré-históricos, conduzidos em solo nacional a partir de meados do século XIX por iniciativa da emblemática Commissão dos Serviços Geológicos, na sequência de uma primeira formada, a pedido do Governo, pela "Real Academias das Ciências", ainda em 1848.
Integraram de início este último organismo nomes tão paradigmáticos dos estudos geológicos e pré-históricos do país, como os do engenheiro militar Carlos Ribeiro (1814-1882), do lente de Mineralogia e Geologia da Escola Politécnica Francisco, António Pereira da Costa (1809-1889) e do alferes de engenharia Joaquim Filipe Nery da Encarnação Delgado (1835-1908).
Foi, justamente, a este último que se deveram as primeiras incursões na região, identificando, por exemplo, a conhecida "Gruta de Cezareda" (Cf. DELGADO, J. F. N. da E., 1867), numa zona particularmente fértil em vestígios arqueológicos localizados no interior de grutas, a julgar pelas de Malgasta e da Lapa Furada.
Apesar do interesse que evidenciaram junto de um pequeno grupo de investigadores, a verdade é que o espólio encontrado não terá merecido a atenção necessária à sua posterior classificação, não surgindo, por conseguinte, na primeira grande lista de imóveis classificados como "monumentos nacionais", publicada na véspera da implantação republicana.
Entretanto, os estudos realizados no terreno por outros investigadores desde o dealbar do novo século; o interesse particular de algumas individualidades pelos períodos mais remotos da ocupação humana no actual território português, designadamente no que se referia aos rituais funerários, conjuntamente a um contexto político mais propício à protecção de alguns dos seus exemplares, nomeadamente a partir do momento em que a legislação portuguesa passou a contemplar o valor arqueológico, logo em 1901 (Cf. MARTINS, A. C., 2005), permitiram a classificação de novas grutas identificadas no espaço de tempo que mediou entre a presença de J. F. N. da E. Delgado (vide supra) e os finais dos anos quarenta (CARDOZO, M., 1941, pp. 116 e 420).
Interpretadas, na altura, como fundamentais para a compreensão do Paleolítico em Portugal, por parte, designadamente, do conhecido prelado e pré-historiador Eugène Jalhay (1891-1950), uma das figuras centrais da "Secção de Arqueologia Pré-histórica" da Associação dos Arqueólogos Portugueses (Cf. MARTINS, A. C., Idem.), o arqueossítio conhecido por "Três Grutas" é constituído por uma gruta principal situada junto à estrada de S. Bartolomeu (razão pela qual é de igual modo conhecido por "Grutas de São Bartolomeu"); uma segunda localizada no lado oposto da mesma via e, por fim, uma terceira gruta existente nas imediações de um pequeno povoado conhecido por "Reguengo Pequeno".
[AMartins]

Bibliografia

Título

Subsídios para a História do Museu Etnológico do Dr. Leite de Vasconcellos, O Arqueólogo Português

Local

Lisboa

Data

1964

Autor(es)

MACHADO, João Luís Saavedra

Título

Monumentos Nacionais. Seu arrolamento, classificação e protecção, especialmente na parte que se refere a arqueologia, Revista de Guimarães

Local

Guimarães

Data

1941

Autor(es)

CARDOZO, Mário

Título

A Associação dos Arqueólogos Portugueses na senda da salvaguarda patrimonial. Cem anos de transformação (1863-1963). Texto policopiado. Tese de Doutoramento em Letras.

Local

Lisboa

Data

2005

Autor(es)

MARTINS, Ana Cristina

Título

Notícias Nova et vetera, Conímbriga

Local

Coimbra

Data

1959

Autor(es)

BELCHIOR, Maria Claudette Alves, HESPANHA, Maria Cândida da Fonseca

Título

Da existência do homem no nosso solo em tempos mui remotos provada pelos estudos das cavernas. Notícia acerca das Grutas da Cesareda

Local

Lisboa

Data

1867

Autor(es)

DELGADO, Joaquim Filipe Nery da Encarnação