Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Alvalade - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Alvalade

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Alvalade(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Setúbal / Santiago do Cacém / Alvalade

Endereço / Local

Praça D. Manuel I
Santiago do Cacém

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O pelourinho de Alvalade terá sido mandado erguer na sequência do foral manuelino outorgado à localidade em 1510, na praça fronteira às casas medievais dos antigos Paços do Concelho.
O monumento foi destruído pelo terramoto de 1755, sendo remontado mais tarde, em data incerta, possivelmente sem a totalidade dos elementos originais. De acordo com um desenho de 1906 (José da Silva Mendes LEAL, 1906), ano no qual o pelourinho estava recolocado na sua implantação primitiva, este constava de um soco de quatro degraus quadrangulares, sobre os quais assentava o conjunto da base, fuste, capitel e remate. O desenho não inclui a grimpa, da qual nunca se conheceram vestígios. Foi mais tarde apeado, e durante muito tempo a protecção legal do monumento visou simplesmente o conjunto dos fragmentos que se encontravam à guarda da Câmara Municipal, no interior do edifício da Igreja da Misericórdia do concelho. O espólio incluía troços do fuste, da base, do capitel, e do remate.
O pelourinho foi restaurado e recolocado em Setembro de 2000 pela Câmara Municipal de Santiago do Cacém, numa cerimónia incluída nas comemorações dos 490 anos da concessão do Foral Manuelino. É constituído por um soco de quatro degraus de secção quadrada e rebordo boleado, sobre o qual se ergue uma base facetada e um fuste liso, de secção circular, com capitel facetado e remate em tronco piramidal de topo truncado.
Sílvia Leite / DIDA / IGESPAR / 31-03-2008

Imagens

Bibliografia

Título

Pelourinhos Portugueses, Tentâmen de Inventário Geral

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

MALAFAIA, E. B. de Ataíde

Título

Os Pelourinhos, in A Nossa Pátria

Local

-

Data

1907

Autor(es)

LEAL, José da Silva Mendes