Saltar para o conteúdo principal da página

Capela de Santo Abdão - detalhe

Designação

Designação

Capela de Santo Abdão

Outras Designações / Pesquisas

Capela da Correlhã / Capela de Santo Abdão(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Ponte de Lima / Correlhã

Endereço / Local

EN 203
Lugar da Igreja ou Lugar de São Tomé

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 41 191, DG, I Série, n.º 162, de 18-07-1957 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

As origens desta capela andam envolvidas em lenda, incerteza que é agravada pelas dúvidas quanto ao significado da desaparecida figura masculina nua do tímpano do seu portal axial. Uma tradição que, plausivelmente, recua ao século XIX, atribui a sua fundação a três peregrinos italianos que, no caminho para Compostela, aqui pernoitaram, tendo, então, decidido fundar uma capela (Cf. GRAF, 1986, vol.2, p.31), em devoção a este santo, martirizado em Roma. Lourenço Alves, retomando os estudos de Félix Alves Pereira, relacionou o (aparentemente estranho) culto a este santo na Correlhã com uma possível influência bizantina altimedieval (ALVES, 1982, p.80). Mais plausível, todavia, é a hipótese defendida por Carlos Alberto Ferreira de Almeida de a capela datar do século XIV (altura em que o culto a Santo Abdão foi objecto de relativo incremento) e de ter tido uma motivação funerária (ALMEIDA, 1978, vol.2, pp.263-264).
As características estilísticas e construtivas do templo parecem corroborar esta última ideia, embora se desconheça qual o marco histórico em que a capela surgiu, e quais, consequentemente, os seus promotores.
Estruturalmente, o monumento compõe-se de uma nave rectangular a que se adossa, a nascente, uma ábside igualmente de planta rectangular, mas mais baixa e estreita que o corpo, fazendo-se a ligação entre estes espaços através de um arco triunfal apontado, assente sobre capitéis vegetalistas e colunas atarracadas (ALVES, 1982, p.81). As fachadas são pesadas e sóbrias, praticamente sem aberturas (as poucas existentes são de arco de volta perfeita, descarregando sobre capitéis maioritariamente vegetalistas, de tratamento escultórico sumário) e, a toda a volta do edifício, corre uma cachorrada de modilhões entendidos por alguns autores como já naturalistas (RODRIGUES, 1995, p.227). Os dois portais que se conservam - falta o setentrional, entaipado em altura incerta, mas sugerido pelas linhas de aduelas embebidas na face exterior da caixa murária -, são em arco apontado, sem colunas, e os seus tímpanos estão decorados com elementos geométricos (cruzes vazadas inseridas em círculos) e animalistas (uma ave no tímpano axial) de talhe fruste e esquemático.
Por todas estas características, fácil se torna perceber o momento de transição (de resistência) em que a capela foi erguida, muito provavelmente alguns anos antes que a de Santa Eulália de Refojos do Lima, também ela de carácter funerário (ALMEIDA, 2001, p.93). O aspecto geral é vincadamente românico, mas deliberadamente modesto e, até, integrando elementos goticizantes, solução típica das áreas rurais e periféricas do Portugal baixo-medieval.
Peça fundamental do conjunto era a figura central do seu tímpano ocidental. Descrições antigas asseguram que se tratava da representação de um homem nu, de "quatro grandes palmos de alto", com "hum páo lizo que lhe encobre a parte mais impura" (Cf. ALVES, 1982, p.81). Em 1750, o Visitador que nos deixou esta descrição (Diogo de Azevedo, de seu nome), ordenou que a escultura fosse destruída, o que veio, de facto, a acontecer.
Pela impossibilidade de comprovação material deste elemento, várias têm sido as interpretações acerca do que simbolizaria. A mais divulgada opinião é a que identifica neste desaparecido elemento a imagem de Adão (GRAF, 1986, vol.2, p.32, entre outros), situação que explicaria a ocorrência de uma ave a ladear a escultura central, como que indicando aos crentes o Paraíso. Não faltam, todavia, perspectivas diferentes, realçando-se a de Ferreira de Almeida, que considerou tratar-se de uma representação apotropaica, associada ao conteúdo funerário do templo (ALMEIDA, 1986, p.60).
Sem obras assinaláveis ao longo da época moderna, a capela chegou aos nossos dias praticamente intacta. O restauro teve lugar numa fase também tardia da história da intervenção monumental em Portugal, apenas na viragem para a década de 80 do século XX, numa campanha que não desvirtuou excessivamente o conjunto.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

História da Arte em Portugal - O Românico

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

O mundo românico (séculos XI-XIII), História da Arte Portuguesa, vol.1, Lisboa, Círculo de Leitores, 1995, pp.180-331

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

RODRIGUES, Jorge

Título

Roteiro da Ribeira Lima

Local

Porto

Data

1959

Autor(es)

AURORA, Conde de

Título

Portugal roman, vol. II

Local

-

Data

1986

Autor(es)

GRAF, Gerhard N.

Título

Arquitectura Românica de Entre Douro e Minho

Local

Porto

Data

1978

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

Primeiras Impressões sobre a Arquitectura românica portuguesa, Revista da Faculdade de Letras do Porto, Série História, nº1, pp.3-56

Local

Porto

Data

1972

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

Alto Minho

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

Arquitectura religiosa do Alto Minho, 2 vols.

Local

Viana do Castelo

Data

1987

Autor(es)

ALVES, Lourenço

Título

Egrejas e Capelas Românicas de Ribeira Lima

Local

Porto

Data

1926

Autor(es)

BARREIROS, Manuel de Aguiar

Título

A capella de Santo Abdão na Correlhã

Local

Viana do Castelo

Data

1924

Autor(es)

GUERRA, Luís Figueiredo da

Título

Ensaio monográfico da Correlhã

Local

Viana do Castelo

Data

1996

Autor(es)

RIBEIRO, José Luís de Sousa

Título

História da Arte em Portugal, vol. 3 (o Românico)

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

Igrejas e Capelas românicas da Ribeira Lima, Caminiana, ano IV, nº7, pp.47-118

Local

Caminha

Data

1982

Autor(es)

ALVES, Lourenço

Título

Inventário Artístico da Região Norte - III (Concelho de Ponte de Lima)

Local

Porto

Data

1974

Autor(es)

-