Saltar para o conteúdo principal da página

Ponte de D. Goimil - detalhe

Designação

Designação

Ponte de D. Goimil

Outras Designações / Pesquisas

Ponte Românica de D. Goimil / Ponte de D. Goimil(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Ponte

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Matosinhos / Custóias, Leça do Balio e Guifões

Endereço / Local

Rua das Carvalhas
Esposade

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 516/71, DG, I Série, n.º 274, de 22-11-1971 (ver Decreto)

ZEP

Portaria de 8-05-1973, publicada no DG, II Série, n.º 121, de 23-05-1973 (com ZNA)

Zona "non aedificandi"

Portaria de 8-05-1973, publicada no DG, II Série, n.º 121, de 23-05-1973

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Numa paisagem aberta das margens do rio Leça, ergue-se a ponte medieval de D. Goimil, outrora pertencente à antiga via romana que ligava os rios Douro e Ave, a mesma que, durante o reinado D. Afonso III (1210-1279), em meados do século XIII, seria conhecida como via veteris (Estrada Velha). Com efeito, esta estrada constituíra, na época da ocupação romana, a mais importante ligação existente entre as localidades do Porto e de Vila do Conde. Ademais, a ocupação relativamente contínua da zona de Custóias não deverá surpreender, até pela diversidade de registos encontrados até ao momento, e que, no conjunto, atestará bem a presença de comunidades humanas desde um período tão remoto, quanto o pré-histórico, mesmo que o desenvolvimento económico operado na região ao longo dos séculos acabasse por apagar alguns elementos importantes do património preexistente.
Apesar destas permanentes mutações, as fontes escritas parecem apontar para a existência de uma povoação da Alta Idade Média adjacente ao mons custodias, numa época em que este percurso ganhava nova força e notoriedade pela sua integração no ecuménico "Caminho de Santiago de Compostela".
Relativamente bem conservada, a ponte possui tabuleiro em cavalete assente sobre um único arco ogival, com as respectivas guardas igualmente aparelhadas em blocos graníticos.
[Ana Martins]

Imagens

Bibliografia

Título

Estradas e Pontes Romanas a Norte do Tejo

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

BRANDÃO, Augusto Pereira

Título

Guia de Portugal, v.4, t. I : Entre Douro e Minho, Douro Litoral

Local

Lisboa

Data

1983

Autor(es)

PROENÇA, Raul