Saltar para o conteúdo principal da página

Ruínas do antigo castelo ou Forte de Alvor - detalhe

Designação

Designação

Ruínas do antigo castelo ou Forte de Alvor

Outras Designações / Pesquisas

Ruínas do Castelo de Alvor
Ruínas do Forte de Alvor / Castelo de Alvor / Forte de Alvor (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Castelo

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Faro / Portimão / Alvor

Endereço / Local

Largo do Castelo
Alvor

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 29/84, DR, I Série, n.º 145, de 25-06-1984 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Escondido entre o casario branco da Vila, o Castelo de Alvor é um monumento militar algarvio importante, na exacta medida da relevância histórica da vila ao longo dos séculos. De acordo com as escavações efectuadas por Teresa Gamito, Alvor foi a velha Ipses proto-histórica, centro populacional e comercial da máxima importância nos tempos pré-romanos (GAMITO, 1994). A conquista romana não alterou significativamente este panorama, assim como a transição para a Alta Idade Média islâmica confirmou o seu estatuto cimeiro. Povoação ribeirinha, dispondo de uma vasta enseada e de condições privilegiadas de acesso ao mar e ao interior do território, através dos vários cursos de água que aqui desaguam, e protegida por um monte dominante, Alvor foi, desde sempre, uma referência para as populações que se instalaram na orla marítima a Ocidente do rio Arade.
As origens do castelo recuam, com certeza, ao período islâmico. De planta quadrangular, as suas muralhas subsistem, ainda, em grande parte, elevando-se alguns troços a mais de cinco metros de altura. O aparelho utilizado foi corrente no período islâmico, recorrendo a blocos irregulares dispostos horizontalmente. O passeio de ronda é ainda apreensível, pela existência de uma escada encostada ao topo Sul da muralha, mas a destruição vertical é muito acentuada, não permitindo perceber se as muralhas eram ameadas. A porta principal, voltada a Norte, é o principal elemento original remanescente, com a sua figuração em cotovelo, que seria provavelmente defendida por uma torre albarrã (GOMES, 2002, p.133). A nascente, o que resta de uma torre, que se elevaria bem acima do mar e que dispunha de um vasto campo de visão sobre a enseada (COUTINHO, p.82)
A aparente singeleza da edificação que chegou até aos nossos dias contrasta com a importância do local durante a Idade Média. Ao que tudo indica, o actual castelo de Alvor corresponde à primitiva alcáçova, que deveria albergar uma guarnição; fora deste reduto, e dispondo-se até à praia, a vila propriamente dita seria cercada por uma cintura de muralhas, de que nada hoje resta. Na altura da primeira conquista de Silves, em 1189, Alvor é referido como castelo dependente daquela cidade, tendo sofrido também as consequências da incursão cristã, registando-se grande número de mortos e partes consideráveis da vila destruídas.
Na esfera cristã, Alvor foi uma das principais localidades do Algarve. Aqui faleceu D. João II, cujo corpo passou, posteriormente, à Sé de Silves e, daí, para a Batalha. No entanto, não possuímos notícias acerca de reformulações militares da vila. Será preciso esperar pelo século XVII para uma maior aproximação a este monumento. Em 1621, numa altura de intensa reforma dos fortes marítimos algarvios, em consequência das guerras de Espanha com as potências do Norte, Alexandre Massaii fala de um "fortezinho pequeno, quadrado", sinal claro da ineficácia do castelo perante as necessidades de uma guerra de artilharia. As preocupações defensivas do Algarve determinaram o abandono desta estrutura e a concentração de forças em fortes modernos, de plantas complexas e em pontos-chave da costa.
Destituído da sua função primordial, o castelo de Alvor foi sendo sucessivamente ameaçado pela intensa pressão urbanística, a ponto de se ver, na actualidade, rodeado de um sem número de moradias, claramente dissonantes com a realidade histórica do local. Mais recentemente, já no final do século XX, o interior foi transformado em jardim infantil, um acto que pretendeu comemorar a conquista cristã da vila e dotar este espaço de uma função vivencial para os habitantes.
A identificação integral do sistema defensivo de Alvor permanece, contudo, por esclarecer. O plano arqueológico do monte que corresponde à fortaleza de Ipses (ou Vila Velha), diante da Igreja Matriz, revelou níveis de ocupação islâmica (GAMITO, 1994), fazendo crer que o castelo era complementado por outros redutos, aparentemente secundários, mas mais próximos do mar.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

Corografia ou memoria economica, estadistica, e topografica do reino do Algarve

Local

Lisboa

Data

1841

Autor(es)

LOPES, João Baptista da Silva

Título

Castelos, fortalezas e torres da região do Algarve

Local

Faro

Data

1997

Autor(es)

COUTINHO, Valdemar

Título

Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses

Local

Lisboa

Data

1948

Autor(es)

ALMEIDA, João de

Título

O Algarve islâmico : roteiro por Faro, Loulé, Silves e Tavira

Local

Faro

Data

2002

Autor(es)

CATARINO, Helena Maria Gomes

Título

Apontamentos monográficos de Alvor

Local

Portimão

Data

2000

Autor(es)

FIGUEIREDO, Ana

Título

Carta Arqueológica de Portugal: concelhos de Portimão, Lagoa, Silves, Albufeira, Loulé, São Brás de Alportel

Local

Lisboa

Data

1992

Autor(es)

-

Título

Silves (Xelb), uma cidade do Gharb al-Andalus: território e cultura

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

GOMES, Rosa Varela

Título

Algarve - Castelos, Cercas e Fortalezas

Local

Faro

Data

2008

Autor(es)

MAGALHÃES, Natércia

Título

Castelos em Portugal. Retrato do seu Perfil Arquitectónico

Local

Coimbra

Data

2010

Autor(es)

CORREIA, Luís Miguel Maldonado de Vasconcelos