Saltar para o conteúdo principal da página

Casa da Quinta da Francelha de Cima - detalhe

Designação

Designação

Casa da Quinta da Francelha de Cima

Outras Designações / Pesquisas

Quinta da Francelha de Cima(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Loures / Sacavém e Prior Velho

Endereço / Local

Quinta da Francelha de Cima
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 31/83, DR, I Série, n.º 106, de 9-05-1983 (ver Decreto)

ZEP

Portaria n.º 295/96, DR, II Série, n.º 299, de 27-12-1996 (sem restrições)
Edital de 15-12-1982 da CM de Loures
Despacho de concordância de 9-11-1981 do Secretário de Estado da Cultura
Despacho de concordãncia de 5-11-1981 da presidente do IPPC
Parecer favorável de 6-10-1981 da Comissão "ad hoc" do IPPC
Proposta de 28-07-1981 da DGEMN
Em 11-07-1980 foi solicitado à DGEMN que elaborasse uma proposta de ZEP

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Edificada como quinta de recreio, muito característica dos arredores de Lisboa, o núcleo primitivo da Casa da Francelha foi edificado no século XVII, sendo este espaço alargado na centúria seguinte. A planimetria em L setecentista foi construída a partir do pavilhão maneirista, que passou a ser a ala lateral da casa.
A fachada principal do palacete apresenta um estilo já de gosto neoclássico, que lembra o modelo do Palácio de Seteais (STOOP, Anne de, 1986, p. 57). A organização do frontispício, onde ressalta a harmonia e a sobriedade, é marcada pelo ritmo simétrico das janelas dos dois pisos, sendo o conjunto rematado em frontão.
A estrutura neoclássica exterior reflecte a decoração do espaço interior, que terá sido realizada no início do século XIX. Em todos os espaços sociais da casa a decoração é feita com pinturas, cercaduras ornamentais, painéis marmoreados e frescos, que foram realizadas "numa tentativa de organizar mais completamente o espaço" (Idem, ibidem). Os salões do andar nobre, bem como a sala de jantar, são decorados com medalhões em trompe-l'oeil , pintados a fresco. O medalhão da sala de baile é atribuído ao pintor Pedro Alexandrino.
A capela privativa da quinta, de planta octogonal coroada por cúpula, é decorada no seu interior por pinturas a fresco, podendo considerar-se uma "verdadeira jóia ornamentada com estuques de cores suaves ao gosto neoclássico" (Idem, ibidem, p. 59).
Catarina Oliveira
GIF/IPPAR/ 10 de Agosto de 2005

Imagens

Bibliografia

Título

Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1963

Autor(es)

AZEVEDO, Carlos de, FERRÃO, Julieta, GUSMÃO, Adriano de

Título

Quintas e palácios nos arredores de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

STOOP, Anne de