Saltar para o conteúdo principal da página

Conjunto de elementos arquitectónicos delineados por Nazoni que ainda existem na Quinta de Santa Cruz do Bispo, nomeadamente a portada principal - detalhe

Designação

Designação

Conjunto de elementos arquitectónicos delineados por Nazoni que ainda existem na Quinta de Santa Cruz do Bispo, nomeadamente a portada principal

Outras Designações / Pesquisas

Quinta de Santa Cruz do Bispo(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Quinta

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Matosinhos / Perafita, Lavra e Santa Cruz do Bispo

Endereço / Local

Largo da Viscondessa
Santa Cruz do Bispo

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Desde 1939 na posse do Ministério da Justiça que fez dela Colónia Penal da Cadeia Civil do Porto, a Quinta de Santa Cruz do Bispo sofreu profundas obras de adaptação, quer ao nível do palácio, quer ao nível do seu território.
A história da Quinta de Santa Cruz de Riba Leça, como era conhecida, é muito longa, remontando à Infanta D. Mafalda, a filha de D. Sancho I, que se dedicou à vida monástica. A Infanta Santa doou os terrenos da propriedade à Sé do Porto, que os conservou na sua posse durante longo tempo. Mas foi durante o bispado de D. Rodrigo Pinheiro (1552-1572), que a Quinta conheceu grandes melhoramentos. A casa tornou-se uma "verdadeira mansão real" (FELGUEIRAS, 1958, p. 143) e o espaço oferecia tal magnificência que foram muitos os poetas e os escritores que não se cansaram de admirar, nos seus escritos, a beleza das árvores, das hortas, do bosque, ou das fontes. Entre eles, encontram-se Luís de Camões, Frei Luís de Sousa, Frei Bartolomeu dos Mártires, Barbosa Machado ou Cadabal Gravio (FELGUEIRAS, 1958, p. 144). Assim, nesta fase, Santa Cruz do Bispo encontra-se directamente ligada à figura de D. Rodrigo e a muitos dos vultos da cultura seiscentista que por lá passaram (PACHECO, 1986, p. 154).
A Quinta continuou a servir os prelados portuenses que, no verão, procuravam o sossego e a paz para as suas meditações, aumentando progressivamente a sua área e sumptuosidade. Neste sentido, e entre 1741 e 1752, Santa Cruz do Bispo conheceu nova intervenção em que se destacou a figura do Bispo Frei José da Fonseca e Évora. Terá sido este prelado que contratou Nicolau Nasoni para remodelar a Casa e a Quinta. Contudo, a sua morte, em 1752, terá obrigado à interrupção das obras.
A entrada principal da Quinta encontra-se no eixo da Casa. O seu conjunto é composto por um arco trilobado, encimado pelo brasão do Bispo Frei José da Fonseca e Évora. Ladeiam o portal dois nichos de forma oval. A Casa, também conhecida como Palácio de D. Mafalda, denota igualmente alguns elementos característicos de Nasoni, como os cunhais rusticados que recordam as portas da Torre da Prelada e da Bonjóia, os elementos assimétricos por cima dos cunhais, evocativos da escada de Fafiães, ou o motivo que serve de remate às duas janelas da fachada da ala oeste, muito semelhantes aos parapeitos laterais da igreja dos Clérigos ou da fachada do Palácio do Freixo (SMITH, 1967, p. 152).
Muito embora a intervenção de Nasoni tenha sido interrompida, e este não tenha concluído a intervenção inicialmente prevista, os elementos por si delineados são suficientemente fortes para marcar a paisagem e a arquitectura da Quinta, estabelecendo ainda relações com outras obras suas, na cidade e arredores por Porto.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Monografia de Matosinhos

Local

Matosinhos

Data

1958

Autor(es)

FELGUEIRAS, Guilherme

Título

Nicolau Nasoni, arquitecto do Porto

Local

-

Data

1966

Autor(es)

SMITH, Robert C.

Título

A obra de Nicolau Nasoni no actual concelho de Matosinhos, separata da Revista MUSEU, 2ª série, n.º 7

Local

Porto

Data

1964

Autor(es)

BRANDÃO, Domingos de Pinho

Título

Pedras de Armas de Matosinhos

Local

Matosinhos

Data

1960

Autor(es)

MOREIRA, Alberto de Laura, NÓBREGA, Artur Vaz Osório da

Título

Nasoni, Nicolau, Dicionário de Arte Barroca em Portugal

Local

-

Data

1989

Autor(es)

ALVES, Joaquim Jaime Ferreira

Título

O Grande Porto

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

PACHECO, Helder