Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de Santa Iria - detalhe

Designação

Designação

Igreja de Santa Iria

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Paroquial de Santa Iria da Ribeira de Santarém / Igreja de Santa Iria(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Santarém / Santarém / União de Freguesias da cidade de Santarém

Endereço / Local

Largo de Santa Iria
Ribeira de Santarém

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 95/78, DR, I Série, n.º 210, de 12-09-1978 (ver Decreto)
Edital de 25-02-1976 da CM de Santarém
Despacho de homologação de 21-01-1976
Parecer de 9-01-1976 da 4.ª Subsecção da 2.ª Secção da JNE a propor a classificação como IIP
Proposta de classificação de 13-10-1975 da DGAC

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Trata-se de um edifício barroco, embora apresente, ainda, testemunhos da campanha gótica, nomeadamente, ao nível da abóbada de nervuras de uma das capelas ( localizada no lado esquerdo); das obras renascentistas, visíveis na decoração das pilastras, no arco do cruzeiro e nas colunas toscanas. A igreja localizada na Ribeira de Santarém é de invocação de Santa Iria, a mártir cristã nabantina, cujo corpo, segundo a lenda, aportou a estas paragens após o seu martírio. Apesar das muitas alterações sofridas pelas campanhas do século XVIII, e posteriores, é de registar a estrutura renascentista do arco triunfal, ainda incólume, com tondi relevados. No altar colateral da banda direita destaca-se a célebre imagem do Cristo de Mont'Iraz. Escultura gótica de oficina francesa, do final do século XIII ou início do XIV, a que se liga piedosa lenda local. A cúpula do cruzeiro integra uma pintura decorativa, ilusionística, da autoria de António Simões Ribeiro, o mesmo artista que decorou com arquitecturas fingidas o coro da igreja do Hospital e a irmandade anexa à igreja de Santa Cruz, depois de ter pintado os tectos da Biblioteca Joanina, em Coimbra. De referir os azulejos azuis e brancos, da primeira metade do século XVIII, produção lisboeta que decora uma dependência anexa ao templo. R.F.F.

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal, Distrito de Santarém

Local

Lisboa

Data

1949

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos

Título

Ribatejo Histórico e Monumental

Local

Lisboa

Data

1938

Autor(es)

CÂNCIO, Francisco

Título

Santarém, princesa das nossas vilas

Local

-

Data

1996

Autor(es)

FEIO, A. Areosa

Título

Santarém, Princesa das Nossas Vilas

Local

-

Data

1929

Autor(es)

FEIO, A. Areosa

Título

As Cidades e as Vilas da Monarquia Portuguesa que têm brasão de armas

Local

Lisboa

Data

1860

Autor(es)

BARBOSA, Inácio de Vilhena

Título

Santarém: História e Arte

Local

-

Data

1951

Autor(es)

SERRÃO, Joaquim Veríssimo