Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja matriz da Tocha - detalhe

Designação

Designação

Igreja matriz da Tocha

Outras Designações / Pesquisas

Igreja de Nossa Senhora da Tocha / Igreja Paroquial da Tocha / Igreja de Nossa Senhora da Tocha / Santuário de Nossa Senhora de Atocha (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Cantanhede / Tocha

Endereço / Local

Largo da Tocha (atravessado pela EN 109, ao km 97,100)
Tocha

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 33 587, DG, I Série, n.º 63, de 27-03-1944 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A primitiva ermida de Nossa Senhora da Atocha foi fundada, em 1610, por D. Juan Garcia Bacelar, natural de Pontevedra, facto que explica a escolha desta invocação de Nossa Senhora, de origem madrilena.
A exiguidade do primeiro templo levou à sua reedificação por iniciativa dos cónegros regrantes de Santa Cruz de Coimbra que, nos últimos anos do século XVII construíram a igreja que hoje conhecemos. Esta, beneficiou, ainda, de uma campanha decorativa que teve início na década de 1750, terminando em 1763.
De planta longitudinal, mas de volumes não coincidentes entre o exterior e o interior, a igreja da Tocha pauta-se por uma enorme depuração, numa linguagem de tradição chã que esconde a riqueza e a exuberância decorativa do espaço interno. A fachada principal, em empena, é delimitada por pilastras nos cunhais, encimadas por pináculos, e aberta por portal de verga recta com cornija, ligado ao janelão do coro, e em cujo eixo se rasga, ainda e já na base da empena, um óculo. A torre, com duas pequenas frestas, e sineira de arco perfeito, ergue-se do lado esquerdo, terminando, com fogaréus, bem acima da linha do telhado.
No interior, a nave é revestida por 10 painéis de azulejo azuis e brancos, datáveis de cerca de 1750. Todos eles exibem uma legenda em latim, numa intertextualidade entre imagem e texto que visava tornar mais evidente o significado das cenas figuradas, organizadas num programa iconográfico que pretendia exibir as heroínas bíblicas entendidas enquanto prefigurações de Nossa Senhora. Aqui estão presentes cenas com as representações de Ester, Judite, Débora, Sara, Abigail, Maria Jahelem (sic), Raquel e uma outra personagem infelizmente não identificada devido às alterações introduzidas pela porta de acesso ao coro. Na parede fundeira, a ladear a entrada principal, duas alegorias com as figurações de Cristo e Maria, parcialmente mutiladas, e com as respectivas cartelas, aludem ao poder intercessor da Virgem. Muito embora não figurem nas obras executadas pelos Bernardes, Vergílio Correia associou este conjunto à mais importante família de pintores de azulejo da primeira metade do século XVIII (1936).
Ainda na nave, destaca-se o púlpito de talha dourada e policromada, sobre mísula pétrea, e o arco cruzeiro de volta perfeita, que articula o corpo do templo com a capela-mor, com pinturas a imitar nichos, sobre as impostas. O tecto exibe pinturas divididas em painéis, já do final de Setecentos.
A capela-mor, de planta quadrada, exibe, ao centro, uma espécie de pequeno templete circular, a recordar o Jardim da Manga, em Coimbra. O altar-mor, de talha, apresenta a imagem de Nossa Senhora da Tocha. Por fim, as paredes são revestidas por azulejos, de época diferente dos da nave. Estão datados de 1763 e foram executados em oficinas de Coimbra. Representam símbolos marianos, e são superiormente recortados.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Coimbra e Região

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

BORGES, Nelson Correia

Título

Inventario Artistico de Portugal - Distrito de Coimbra

Local

Lisboa

Data

1993

Autor(es)

GONCALVES, António Nogueira, CORREIA, Vergílio

Título

Azulejaria em Portugal no século XVIII

Local

Lisboa

Data

1979

Autor(es)

SIMÕES, J. M. dos Santos

Título

A Capela-mor da Igreja da Tocha, Diário de Coimbra

Local

-

Data

1936

Autor(es)

CORREIA, Virgílio