Saltar para o conteúdo principal da página

Restos de uma construção conhecida pelo nome de Forno dos Mouros - detalhe

Designação

Designação

Restos de uma construção conhecida pelo nome de Forno dos Mouros

Outras Designações / Pesquisas

Balneário Romano em Carvalhas / Forno dos Mouros (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Balneário

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Barcelos / Carvalhos

Endereço / Local

- na encosta do lado poente do Monte da Saia
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 38 147, DG, I Série, n.º 4, de 5-01-1951 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Edificado durante a Idade do Ferro, este balneário castrejo encontra-se numa zona rural com pinheiros e eucaliptos, na base do castro do Monte da Saia, junto à Fonte da Pegadinha de Nossa Senhora.
O presente monumento encontra-se estruturado de modo bastante aproximado à distribuição observada noutras composições arquitectónicas castrejas com a mesma função balnear. Apresenta, por isso, um átrio, uma antecâmara, uma câmara e um forno. Parcialmente soterrado, o primeiro destes elementos compósitos - átrio - possuía planta rectangular, da qual são ainda visíveis alguns vestígios do seu primitivo lajeado de feição irregular. Quanto à antecâmara, ela apresenta igual configuração rectangular, mas com cerca de três metros de comprimento, cujas paredes laterais foram executadas em pedra miúda bem aparelhada e disposta em fiadas horizontais. Em contrapartida, o forno foi acomodado num compartimento de planta subcircular, em falsa cúpula, com cerca de dois metros de diâmetro. Era a partir deste recinto que se acedia à zona da câmara através de uma abertura com pouco mais de um metro de largura.
É, ainda, possível que duas pedras insculpidas, que, em tempos, foram transportadas por F. Martins Sarmento para o Museu da Sociedade Martins Sarmento, em Guimarães, fizessem parte de um algeroz bífido por onde escorreria a água no tanque que se encontraria à esquerda do átrio deste mesmo balneário.
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

Notícia duma jóia antiga adquirida pelo Museu de Martins Sarmento, Revista de Guimarães

Local

Guimarães

Data

1957

Autor(es)

CARDOZO, Mário

Título

Cartas de Martins Sarmento ao Abade de Tágilde, Revista de Guimarães

Local

Guimarães

Data

1944

Autor(es)

SARMENTO, Francisco Martins

Título

A ultima descoberta arqueologica na Citânia de Briteiros e a interpretação da Pedra Formosa, Revista de Guimarães

Local

-

Data

-

Autor(es)

-

Título

Monumentos Arqueológicos da Sociedade Martins Sarmento, Revista de Guimarães

Local

Guimarães

Data

1951

Autor(es)

CARDOZO, Mário

Título

Estela sepulcral arcaica do Alto-Minho, O Arqueólogo Português

Local

Lisboa

Data

1907

Autor(es)

VASCONCELLOS, José de Leite de

Título

O Monumento Funerário da Citânia, Revista de Guimarães

Local

Guimarães

Data

1946

Autor(es)

CARDOZO, Mário

Título

Catálogo do Museu Martins Sarmento, 1.ª parte: Secção lapidar e de escultura, Revista de Guimarães

Local

Guimarães

Data

1985

Autor(es)

CARDOZO, Mário

Título

Os Inéditos de Martins Sarmento, Revista de Guimarães

Local

Guimarães

Data

1970

Autor(es)

SARMENTO, Francisco Martins

Título

A Cultura Castreja no Noroeste de Portugal

Local

Paços de Ferreira

Data

1986

Autor(es)

SILVA, Armando Coelho Ferreira da