Saltar para o conteúdo principal da página

Mosteiro de Vila Boa do Bispo - detalhe

Designação

Designação

Mosteiro de Vila Boa do Bispo

Outras Designações / Pesquisas

Mosteiro de Vila Boa do Bispo / Igreja de Vila Boa do Bispo(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Mosteiro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Marco de Canaveses / Vila Boa do Bispo

Endereço / Local

- -
Via Boa do Bispo

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Fundado na viragem para o século XI, o Mosteiro teve como primeiro abade D. Rosardo, um francês ligado a D. Mónio, seu fundador. Foi coutado por D. Afonso Henriques em 1141 e pertenceu aos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho, tendo sido objecto de sucessivas reformas. Na segunda metade do século XVII, deu-se uma grande campanha de obras, que estaria concluída em 1678, data inscrita no portal principal do espaço monacal. Vendido a privados após 1834, estava na posse de António Pereira Pinto em 1958. Na actualidade, é a Quinta do Mosteiro, um espaço para eventos.
O que resta do edifício articula-se em torno de claustro quadrangular de dois pisos (separados entre si por uma cornija, com parapeito saliente sob as janelas do piso superior), com alas abertas para a quadra através de arcos de volta perfeita assentes em pilares; o segundo piso eleva-se no prolongamento vertical destes vãos e é rasgado por janelas rectangulares sobre as enjuntas dos arcos; a quadra central é ajardinada e possui chafariz ao centro. O corpo do edifício é de planta rectangular regular, estando a fachada principal virada a Norte. Esta, possui três pisos, tendo o superior uma varanda com acesso por duas janelas simétricas e apoiada sobre cachorros. No prolongamento da fachada, existe uma porta, de arco recto e protegida por alpendre quadrangular suportado por duas colunas. O interior encontra-se bastante adulterado, mas mantém ainda alguns painéis de azulejos e a ligação entre a parte conventual e a igreja, no corpo Norte desta, através de passagem para um camarote barroco, de planta rectangular, protegido por grade de madeira e assente sobre caixa trapezoidal policromada.
PAF

Imagens