Saltar para o conteúdo principal da página

Convento de Nossa Senhora da Graça - detalhe

Designação

Designação

Convento de Nossa Senhora da Graça

Outras Designações / Pesquisas

Convento das Eremitas de Santo Agostinho / Igreja e Convento de Nossa Senhora da Graça / Pousada do Convento da Graça (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Convento

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Faro / Tavira / Tavira (Santa Maria e Santiago)

Endereço / Local

Rua Dom Paio Peres Correia
Tavira

Largo da Igreja de Santa Maria
Tavira

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 434/2012, DR, 2.ª série, n.º 179, de 14-09-2012 (ver Portaria)
Despacho de homologação de 26-05-2003 do Ministro da Cultura
Parecer favorável de 7-05-2003 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 10-10-1991 do IPPC para a classificação como IIP
Despacho de abertura de 26-04-1991 do Presidente do IPPC
Proposta de abertura de 25-03-1991 do IPPC
Proposta de classificação de 28-11-1983 da CM de Tavira

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O Convento de Nossa Senhora da Graça, de Tavira, é um dos edifícios urbanisticamente mais importantes do centro histórico da cidade, pela sua implantação na colina genética, mas também pelo enorme impacto visual na paisagem, destacando-se bem acima da muralha. O edifício religioso veio ocupar uma zona relativamente periférica do primitivo recinto muralhado, onde até ao século XV se localizou a judiaria, precisamente a área oposta à Alcáçova e à principal porta da cidade. Em 1497, no processo de expulsão dos Judeus que levou à fuga de uns e à conversão de outros, D. Manuel ordenou a destruição das sinagogas e sua conversão em igrejas ou em edifícios para outros fins. Daqui resultou a desocupação do espaço onde mais tarde veio a surgir o Convento.
Sensivelmente 45 anos depois da ordem de D. Manuel, reunidas as condições para a fundação de um convento de Eremitas Descalços na cidade de Tavira, foi formalmente fundado o Convento da Graça, por Fr. Pedro de Vila Viçosa, num processo de renovação religiosa levada a cabo por esta Ordem. As obras, todavia, não se iniciaram antes de 1569, dado que os primeiros anos de vida da instituição foram fortemente marcados pela figura de Fr. Valentim da Luz, homem de grande dinamismo intelectual que acabou por ser processado pela inquisição e morto num auto de fé em Lisboa.
Dessa primeira construção, infelizmente, pouco resta, à excepção do claustro, que mantém a estrutura original, de planta quadrangular adossada à fachada Sul da igreja e realizado a partir de uma concepção renascentista algo erudita, pelo cuidado estilístico colocado na feitura de bases, colunas e capitéis toscanos. Também a igreja, edificada segundo princípios chãos, apesar da enorme altura do interior, deve a sua estrutura actual ao primitivo templo da segunda metade do século XVI, embora tenha sido bastante adulterada ao longo dos séculos.
As obras de construção do edifício conventual foram bastante lentas, prolongando-se ao longo de toda a segunda metade de seiscentos. No século seguinte, temos muito poucas notícias acerca da sua história, mas parece certo que o convento entrou precocemente em decadência, uma vez que logo pelos meados do século XVIII é referido em estado ruinoso, muito particularmente o seu claustro.
A campanha barroca do edifício conventual iniciou-se em 1749, precisamente no claustro. Dessa data é um documento onde se refere a compra de novas colunas para os dois ângulos do claustro (SANTANA, 2001). Esta intervenção, contudo, respeitou a anterior traça renascentista do espaço, resumindo-se a copiar o modelo de suporte definido pela construção quinhentista.
Diferente foi o caso das alas conventuais, integralmente remodeladas numa grandiosa campanha realizada entre 1758 e 1778. Da responsabilidade do arquitecto algarvio Diogo Tavares, figura marcante da arquitectura do tempo barroco na província, e de Mestre Bento Correia, esta campanha encarregou-se de actualizar as dependências, destacando-se a escadaria monumental e a porta de acesso à hospedaria, com o seu tímpano interrompido por frontão triangular. A qualidade e amplitude desta obra encontra-se bem patente na grandiosa fachada principal do convento, virada a Sul e organizada simetricamente. Definida a dois registos, possui duas poderosas torres rectangulares nos limites, sendo os panos intermédios compostos por grandes janelões de ampla molduração barroca.
A partir de 1834, com a extinção das Ordens Religiosas, a história do edifício é o reflexo das desastrosas opções de reutilização a que o Estado sujeitou a maioria dos antigos conventos. Em 1839, ficou afecto ao Ministério da Guerra, que aqui instalou sucessivas unidades militares.
Em 2003 o conjunto foi adquirido pela Câmara Municipal de Tavira, e posteriormente cedido para instalação de uma Pousada. Na sequência desta obra realizou-se uma intervenção arqueologica que permitiu identificar, entre outros, material do séc. VII a.C.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

As muralhas medievais e post-medievais de Tavira, Património islâmico dos centros urbanos do Algarve:contributos para o futuro, 2002, pp.66-80

Local

-

Data

2002

Autor(es)

MAIA, Maria Adelaide Garcia Pereira Andrade, MAIA, Manuel Maria da Fonseca Andrade

Título

Duas descrições do Algarve do século XVI

Local

-

Data

1983

Autor(es)

MAGALHÃES, Joaquim Romero

Título

Frei Valentim da Luz, Prior do Colégio da Graça de Tavira, queimado pela inquisição em 1992, in I Jornadas de História de Tavira

Local

-

Data

1992

Autor(es)

MENDES, António Rosa

Título

Roteiro das igrejas de Tavira

Local

-

Data

1996

Autor(es)

LAMEIRA, Francisco

Título

O drama de Frei Valentim da Luz, in Sul, nº0, 1998, pp.23-28

Local

-

Data

1998

Autor(es)

MENDES, António Rosa

Título

Reflexos no Algarve do humanismo erasmista, in MARQUES, Maria da Graça Maia, coord., O Algarve. DA Antiguidade aos nossos dias, Lisboa, Colibri, 1999, pp.213-217

Local

-

Data

1999

Autor(es)

MENDES, António Rosa

Título

Tavira monumental. O centro histórico árabe (12): a judiaria - a posição da sinagoga, in Jornal do Sotavento, ano X, nº218, 6/10/2000, pp.12 e 8

Local

-

Data

2000

Autor(es)

VAZ, Adérito

Título

O erasmismo e a inquisição em Portugal. O processo de frei Valentim da Luz

Local

-

Data

1975

Autor(es)

DIAS, Sebastião da Silva

Título

Notícias históricas de Tavira, 1937

Local

-

Data

1989

Autor(es)

VASCONCELOS, Damião Augusto de Brito, ANICA, Arnaldo Casimiro

Título

O Convento de Nossa Senhora da Graça de Tavira, in Monumentos, nº14, Lisboa, Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, Março de 2001, pp.124-133

Local

-

Data

2001

Autor(es)

SANTANA, Daniel

Título

Antigo convento de Tavira transformado em pousada, in O Público, nº4677, 11-1-2003, p.5

Local

-

Data

2003

Autor(es)

REVEZ, Idálio

Título

A arquitectura religiosa do Algarve de 1520 a 1600

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

CORREIA, José Eduardo Horta