Saltar para o conteúdo principal da página

Convento de Santo António - detalhe

Designação

Designação

Convento de Santo António

Outras Designações / Pesquisas

Convento de Santo António(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Convento

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Faro / Loulé / Loulé (São Sebastião)

Endereço / Local

- -
Loulé

Proteção

Situação Actual

Em Vias de Classificação

Categoria de Protecção

Em Vias de Classificação (Homologado como IIP -...

Cronologia

Despacho de homologação de 4-01-1984
Despacho de abertura de 19-12-1983

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Às portas de Loulé, o Convento de Santo António é um dos monumentos que melhor reflecte a dinâmica conventual da cidade. Uma primeira fundação, no século XVI, dos Capuchos da Província da Piedade, não chegou aos nossos dias, pois já pelos meados do século seguinte estava bastante arruinado e o espaço não era adequado às necessidades da congregação.
Desta forma, o edifício que, na actualidade, parcialmente se conserva, resulta da construção iniciada em 1675, cuja primeira pedra foi solenemente depositada a 11 de Agosto desse ano. O principal responsável por este novo empreendimento foi o bispo do Algarve, D. Francisco Barreto, que impulsionou decisivamente a nova construção. Esta, prolongou-se até ao final do século XVII, transferindo-se a comunidade no Verão de 1692.
"O programa construtivo do Convento (...) revela os tradicionais modelos da arquitectura capucha, resistindo veementemente a qualquer experiência arquitectónica barroca. Apesar da sua monumentalidade, o edifício (...) filia-se muito claramente na liguagem do estilo chão, cuja sobriedade arquitectónica tanto se ajustava ao ideário franciscano dos Capuchos" (CARRUSCA, 2001, p.115).
Infelizmente, muitos das suas partes estão em ruínas, a começar pela fachada principal, ao que tudo indica idêntica a outras soluções capuchas contemporâneas, de rigorosa simetria e sobriedade decorativa. A igreja é o espaço melhor conservado, com a sua longa nave e os elementos devocionais organizados em retábulos com imagens de São Francisco, Santo António, Santa Úrsula e Nossa Senhora dos Remédios, entre outras. O claustro é o elemento que melhor reflecte a estética anti-barroca: de dois pisos, as arcadas que abrem para a quadra são destituídas de qualquer decoração, uma austeridade que continua pelos arcos (de volta perfeita os do primeiro piso e abatidos os do andar superior).
A enorme homogeneidade estilística da campanha seiscentista é, hoje, dificilmente apreensível, pelo estado de ruína iminente do conjunto e da área envolvente. Após o terramoto, há registos de algumas obras, nomeadamente a solução de cúpula oitavada sobre uma antiga capela lateral, onde se registam, igualmente, vestígios de pintura mural rococó.
Com a extinção das Ordens Religiosas, o Convento entrou em ruína, processo que se mantém na actualidade. A recente intenção da edilidade em recuperar o conjunto, com vista a aqui instalar uma unidade hoteleira de qualidade superior, dotada ainda de diversos equipamentos culturais, é a mais consistente perspectiva de valorização em duzentos anos de constante abandono.
PAF

Bibliografia

Título

Loulé. História e expansão urbana

Local

Loulé

Data

1996

Autor(es)

SERRA, Pedro

Título

Loulé. O património artístico

Local

Loulé

Data

2001

Autor(es)

CARRUSCA, Susana

Título

Monografia do Concelho de Loulé

Local

Porto

Data

1905

Autor(es)

OLIVEIRA, Francisco Xavier d'Ataíde