Saltar para o conteúdo principal da página

Conjunto habitacional de 2 moradias e arco ou passadiço - detalhe

Designação

Designação

Conjunto habitacional de 2 moradias e arco ou passadiço

Outras Designações / Pesquisas

-

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Conjunto

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Vila Real / Boticas / Alturas do Barroso e Cerdedo

Endereço / Local

-- -
Coimbro

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Despacho de encerramento de 12-08-2002 do vice-presidente do IPPAR
Despacho de abertura de 11-12-1980

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Situado na povoação de Coimbró, na Serra do Barroso, este conjunto habitacional, que é também designado como Casa do Morgado, é constituído por três edifícios de planta rectangular em aparelho de granito. Dispõem-se nos dois lados do arruamento, estando interligados através de um passadiço exterior que une as fachadas principais.
As duas casas que se encontram adossadas dividem-se em dois registos, sendo o piso térreo utilizado para o gado e as alfaias agrícolas. Apresentam na fachada principal quatro portas no primeiro registo, e no superior uma janela e duas portas, uma das quais dá acesso ao passadiço através de um patamar intermédio.
Na fachada posterior, foi rasgada uma janela de moldura em arco abatido onde foi gravada a inscrição "ANNO DE 1808".
O passadiço foi edificado em 1858, conforme atesta a data aí gravada, não possuindo cobertura. Sob ele abre-se um arco abatido, permitindo a passagem da rua.
A casa fronteira, que seria a habitação do proprietário, é na realidade um conjunto de quatro habitações de dois andares uniformizadas por uma cobertura única. A casa "principal" é o edifício que comunica com o passadiço, com portal largo de acesso à loja do piso térreo, sobre o qual foi gravada a data 1938. No andar superior foram rasgadas quatro janelas, que ao centro integram a porta de comunicação entre a habitação e o passadiço.
Catarina Oliveira
IPPAR/2006