Saltar para o conteúdo principal da página

Edifício da antiga garagem, cocheira e cavalariça da casa de António Santos Jorge, também denominado «Cocheiras de Santos Jorge» ou «Cavalariças de Santos Jorge» - detalhe

Designação

Designação

Edifício da antiga garagem, cocheira e cavalariça da casa de António Santos Jorge, também denominado «Cocheiras de Santos Jorge» ou «Cavalariças de Santos Jorge»

Outras Designações / Pesquisas

Cocheiras de Santos Jorge / Cavalariças de Santos Jorge(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Edifício

Inventário Temático

Norte Júnior

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Cascais / Cascais e Estoril

Endereço / Local

Rua de Olivença
Estoril

Número de Polícia: 14 A

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Declaração de Rectificação n.º 10-E/96, DR, I Série-B, n.º 127, de 31-05-1996 (rectificou a designação) (ver Declaração)
Decreto n.º 2/96, DR, I Série-B, n.º 56, de 6-03-1996 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Situado frente ao mar, junto à Praia do Tamariz, o edifício das cocheiras da casa de veraneio que o proprietário agrícola António dos Santos Jorge mandou construir do lado sul da antiga Estrada Real é uma das mais singulares edificações dos Estoris. Implementando-se num lote triangular, contíguo à linha do caminho-de-ferro, a estrutura imponente marca a paisagem, com o grande pórtico que remata o conjunto de forma cénica.
O edifício da "garage e cocheira", mandado edificar em 1914, divide-se em dois pisos, o térreo originalmente destinado à cocheira e espaço de cavalariça, com garagem e oficina particular, e o segundo reservado às habitações dos criados da casa, com duas salas comuns, oito quartos, quatro quartos de banho, duas cozinhas e uma copa. O conjunto é rematado por um grande terraço, onde se encontra o pórtico. Atualmente, o imóvel encontra-se muito deteriorado, e da divisão interior pouco subsiste. Ainda assim, mantém-se a imponência do programa decorativo exterior exuberante e profusamente ornamental, de inspiração Beaux Arts.
Com a entrada principal virada a oeste, o edifício apresenta três fachadas com abertura de grandes vãos que permitiam a entrada de carruagens e carros. A fachada lateral Norte é dividida por três arcos de entrada atualmente entaipados, que originalmente tinham portas de ferro e vidro. A separação entre eles é feita por pilares que formam uma arcada fechada, com aparelho de pedra rusticado na parte inferior, substituídos no capitel por grandes motivos decorativos com moldura redonda e grinaldas. A entrada central, maior, é dividida por duas pilastras com capitéis compósitos, e as duas laterais possuem arco rematado por aduelas. A fachada lateral Sul, que se adapta ao declive da Rua Olivença, apresenta um grande arco, originalmente com porta de ferro e vidro, dois tramos com três janelas de peito e um vão cego, projetado como porta. Também neste alçado os tramos são marcados por pilares substituídos no capitel por motivos com moldura redonda e grinaldas. A entrada principal é feita através de um grande arco redondo com porta de ferro forjado e vidro, decorada com motivos florais e encimada por frontão redondo abundantemente decorado por grinaldas e motivos vegetalistas, ladeado por duas mísulas com dois mascarões, centrado por óculo em semi-círculo tapado por vitrais. Um friso com balaustrada separa o edifício do terraço, sendo neste que se encontra o grande pórtico, ladeado por dois pares de colunas jónicas, cujo remate central é feito por uma imponente águia esculpida, integrada num frontão triangular. Originalmente, o terraço albergava pérgulas de ferro.
História
Edificadas na época em que os palacetes, moradias e chalets de veraneio das famílias aristocráticas e burguesas iam ocupando a costa Cascais-Estoril, as cocheiras são a "componente mais significativa" da casa de Santos Jorge, constituindo-se como "símbolo maior da arquitectura ecléctica" de toda a região da Linha (SILVA: 1988, p. 124). Projetadas por Manuel Joaquim Norte Júnior em 1914, fariam parte de um projeto maior que não chegou a ser edificado.
O edifício das cocheiras é uma obra única, que inequivocamente reconhece a mão do arquiteto, então no auge da carreira, reproduzindo elementos decorativos de gosto eclético e elegante, identificativos da sua obra, como a porta da fachada Norte repartida por duas grandes pilastras compósitas lembrando a solução da fachada d' A Voz do Operário, o frontão curvo, o rusticado do piso inferior, os florões e grinaldas ou os portões de ferro forjado. Destaque-se ainda a exímia perícia de Norte Júnior enquanto projetista, desenhando um edifício não-habitacional que exigiu um cuidado planeamento funcional dos espaços, sobretudo devido à implantação do lote.
Catarina Oliveira
(Coord. Deolinda Folgado)
DGPC, 2015

Imagens

Bibliografia

Título

Os Anos Vinte em Portugal.

Local

Lisboa

Data

1992

Autor(es)

FRANÇA, José-Augusto

Título

A arquitectura de veraneio em S. João do Estoril, Parede e Carcavelos, 1980-1930. Arquivo de Cascais - Boletim do Município n.º 7, pp. 93-174

Local

Cascais

Data

1988

Autor(es)

SILVA, Raquel Henriques da

Título

A arquitectura de veraneio: os Estoris. 1880-1930.

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

BRIZ, Maria da Graça Gonzalez

Título

A Arquitectura de Veraneio e a sua Imagética. Da Boca do Inferno aos Banhos da Poça, 1870-1920.

Local

Lisboa

Data

2013

Autor(es)

MORGADO, Ana Teresa Garcia Silva

Título

Caracterização arquitectónica e construtiva das Cocheiras Santos Jorge, Estoril, Portugal..Cidades, Comunidades e Territórios, 29 (Dec/2014), pp. 35-54

Local

-

Data

2015

Autor(es)

ARAÚJO, Abraham Ferreira, ANTUNES, Alexandra de Carvalho

Título

Cocheiras Santos Jorge: um contributo para o estudo do estado de conservação das suas cantarias. Tese de mestrado.

Local

Lisboa

Data

2011

Autor(es)

ARAÚJO, Abraham Ferreira

Título

Norte Júnior - O percurso e a obra de um arquitecto artista. Sociedade Amor da Pátria. 150º Aniversário. 1859-2009.

Local

Horta

Data

2009

Autor(es)

CALADO, Maria

Título

Norte Júnior: obra arquitectónica, Tese de Mestrado em História da Arte.

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

PAIXÃO, Maria da Conceição Ludovice

Título

Estoril a visitar. Monte Estoril / Estoril

Local

Cascais

Data

2007

Autor(es)

FERNANDES, Paulo Almeida