Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de Nossa Senhora da Conceição - detalhe

Designação

Designação

Igreja de Nossa Senhora da Conceição

Outras Designações / Pesquisas

Igreja de Nossa Senhora da Conceição(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Portalegre / Monforte / Monforte

Endereço / Local

Rossio de Monforte
Monforte

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 8/83, DR, I Série, n.º 19, de 24-01-1983 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Desertificada durante o período da Reconquista Cristã, a vila de Monforte foi repovoada por D. Afonso III que em 1257 lhe concedeu a primeira carta de foral. Em 1281 D. Dinis concedeu posse da vila à sua filha D. Isabel, como dote de casamento. No século XV Monforte integrava o domínio territorial da Casa de Bragança. Durante o século XVI a vila cresceu, com a fundação de um novo convento e do Hospital da Misericórdia, havendo uma redefinição da morfologia urbana da vila.
Datará desta época a edificação do templo de Nossa Senhora da Conceição, cuja estrutura ecléctica demonstra as diversas campanhas de obras de que foi objecto em épocas diferentes. A igreja foi reformulada interiormente em meados do século XVII, numa época em que o culto de Nossa Senhora da Conceição conheceu grande desenvolvimento em Portugal.
Este templo apresenta uma estrutura simples, com planta de nave única, e capela-mor de secção mais estreita, sendo o espaço interior coberto por abóbada de berço de caixotões pintados com cenas, entre outras, da Vida da Virgem, imagens dos Apóstolos e Evangelistas, o Nascimento Místico de São João Evangelista, Doutores da Igreja. As paredes são decoradas por silhares de azulejos padrão seicentistas. Os retábulos colaterais, executados no século XVIII, são de mármore, em estilo joanino.
Exteriormente a estrutura do templo é inspirada na tipologia da arquitectura mudéjar do Alto Alentejo, edificada no início de Quinhentos, como se pode denotar pelas ameias e coruchéus no remate dos panos murários e nos contrafortes laterais. O portal principal apresenta um modelo serliano simples, com arco de volta perfeita encimado por frontão triangular.
Catarina Oliveira
IPPAR/2004

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal - vol. I (Distrito de Portalegre)

Local

Lisboa

Data

1943

Autor(es)

KEIL, Luís