Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de Lufrei - detalhe

Designação

Designação

Igreja de Lufrei

Outras Designações / Pesquisas

Igreja do Salvador, de Lufrei / Mosteiro de Lufrei / Igreja Paroquial de Lufrei / Igreja do Divino Salvador(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Amarante / Lufrei

Endereço / Local

- -
Lugar da Igreja

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 516/71, DG, I Série, n.º 274, de 22-11-1971 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Geograficamente ligado ao Rio Tâmega e às Serras do Marão e da Aboboreira, o território correspondente, na actualidade, ao concelho de Amarante destaca-se, não apenas pela beleza das suas paisagens, como pelos testemunhos da passagem e fixação de diferentes comunidades humanas ao longo dos tempos, numa evidência dos recursos cinegéticos que proporcionava à sua sobrevivência.
Mas estas terras distinguiram-se de igual modo pela forma como desenvolveram variantes regionais de alguns estilos arquitectónicos, a exemplo do românico que aqui assumiu uma expressão bem vincada, ainda que influenciada pelos conhecimentos procedentes de Santiago Compostela, que aqui chegavam através de Tui, cuja diocese dominou parcialmente o Alto Minho.
Não deixa de ser, no entanto, curioso que o Rio Tâmega funcionasse, nesta região, quase como uma fronteira que define duas áreas do românico, sendo que a localizada na margem esquerda exibe exemplares de linhas e decoração bastante mais simples, quando comparados aos erigidos na margem oposta, mais consonantes aos cânones gerais, de conteúdos e formas mais elaboradas.
Uma diversidade que poderá ser explicada à luz das diferenças observáveis no âmbito dos próprios recursos existentes, quer materiais, quer económicos (daqueles decorrentes), reveladas na própria estrutura de alguns templos.
É este o caso da "Igreja do Salvador, de Lufrei", templo medieval edificado em zona rural, porém na passagem dos denominados "Caminhos de Santiago", abrigando os peregrinos que os percorriam.
Construída num material - granito - que lhe conferiu um aspecto robusto e sóbrio, a igreja, com adro delimitado por pequeno muro pétreo e com arca tumular, terá sido fundada aquando do Mosteiro beneditino do Salvador de Lufrei, no século XII, até que, em quinhentos, as freiras foram transferidas para o convento de S. Bento de Avé Maria, na cidade do Porto ("Lufrei", 1976, p. 377).
De planta simples pavimentada e coberta com madeira, a nave única culmina no arco triunfal (sem lavores) que a separa da capela-mor. Aqui, surge o retábulo-mor executado em talha dourada e policroma tripartido por colunas com fustes decorados com acantos e querubins e capitéis coríntios, albergando, ao centro, tribuna emoldurada com motivos vegetalistas a enquadrar nicho de verga curva com trono de três degraus ladeado por painéis pintados representando S. Pedro, no lado do Evangelho, e S. Paulo, no lado da Epístola.
No exterior, sobressai o portal com duas arquivoltas apoiadas em bases salientes e sobrepujado por fresta rasgada em arco de volta perfeita.
[AMartins]

Bibliografia

Título

Amarante Visitada

Local

Barcelos

Data

1985

Autor(es)

MIKETEN, António Roberval

Título

Lufrei, Tesouros Artísticos de Portugal

Local

Lisboa

Data

1976

Autor(es)

ALMEIDA, José António Ferreira de

Título

História antiga e moderna da sempre leal e antiquíssima Vila de Amarante

Local

London

Data

1814

Autor(es)

MENESES, Francisco de Alpoim e

Título

Amarante medieval

Local

Amarante

Data

1979

Autor(es)

MACHADO, António de Sousa

Título

Simbologia do Românico de Amarante, 2ªed.

Local

Amarante

Data

1997

Autor(es)

GARCÍA, Xosé Lois