Saltar para o conteúdo principal da página

Trechos arquitectónicos que restam dos edifícios dos Estaus, incorporados nos prédios que fazem esquina da Rua Torres Pinheiro para a dos Arcos e a da Saboaria - detalhe

Designação

Designação

Trechos arquitectónicos que restam dos edifícios dos Estaus, incorporados nos prédios que fazem esquina da Rua Torres Pinheiro para a dos Arcos e a da Saboaria

Outras Designações / Pesquisas

Palácio dos Estaus(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Edifício

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Santarém / Tomar / Tomar (São João Baptista) e Santa Maria dos Olivais

Endereço / Local

Praceta Alves Redol
Tomar

Rua Torres Pinheiro
Tomar

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 35 532, DG, I Série, n.º 55, de 15-03-1946 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O edifício dos Estaus foi mandado edificar pelo Infante D. Henrique no primeiro quartel do século XV na então rua principal de Tomar, estando a sua fundação directamente relacionada com a feira franca local. O objectivo destas "(...) edificações henriquinas era de proporcionar poiso aos feirantes que acorriam e a outros forasteiros, e ainda à criadagem dos Mestres da Ordem de Cristo e dos seus freires (...)" (FRANÇA, 1994, p. 92).
Desta hospedaria medieval, que originalmente possuía dois corpos com arcadas que formava uma espécie de loggia , restam apenas alguns elementos estruturais, como os arcos ogivais de um dos edifícios dos Estaus que actualmente se encontram embebidos na caixa murário de um prédio. Outros dois arcos quebrados, pertencentes ao segundo corpo do edifício, elevam-se isolados num jardim fronteiro.
Sendo inicialmente administrados pela Ordem de Cristo, os Estaus passaram a ser arrendados no início do século XVI, sendo explorados pelos foreiros para habitação e comércio, e passando posteriormente para a alçada da Misericórdia (Idem, ibidem). Em meados do século XIX alguns dos seus alpendres eram ainda utilizados por ferradores, mas com o passar dos anos o que restava da hospedaria foi integrado na malha urbana da cidade.
Catarina Oliveira
IPPAR/2006

Imagens

Bibliografia

Título

História de Tomar

Local

Tomar

Data

1982

Autor(es)

ROSA, Amorim

Título

Inventário Artístico de Portugal, Distrito de Santarém

Local

Lisboa

Data

1949

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos

Título

Manuelino. À descoberta da arte do tempo de D. Manuel I

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

Tomar

Local

Lisboa

Data

1994

Autor(es)

FRANÇA, José-Augusto