Saltar para o conteúdo principal da página

Castro de Cabeço - detalhe

Designação

Designação

Castro de Cabeço

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Castro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Vila Real / Boticas / Boticas e Granja

Endereço / Local

-- -
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 1/86, DR, I Série, n.º 2, de 3-01-1986 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Classificado como "Imóvel de Interesse Público" em 1986, o "Castro de Cabeço" ergue-se de modo relativamente isolado no topo de um esporão sobranceiro ao vale do rio Terva, na vertente Sul da serra do Leiranco.
Com excelente domínio sobre a paisagem circundante e boas condições naturais de defesa, este povoado fortificado de consideráveis dimensões da Idade do Ferro foi dotado de um complexo sistema defensivo perfeitamente adaptado às características geomorfológicas do sítio, composto de duas linhas de muralha construídas com silhares assentes em seco e perfeitas de dois paramentos paralelos preenchidos com material pétreo. A primeira linha de muralha (interna), que delimita o espaço residencial, propriamente dito, distribui-se ao longo de cerca de cento e quarenta metros de comprimento por cento e vinte de largura, exibindo aproximadamente sete metros de espessura nalguns troços e treze numa curva, onde ainda são visíveis dois blocos graníticos superficialmente decorados com alguns dos símbolos mais utilizados pelos habitantes castrejos, como serão os círculos e as espirais. Circundando parcialmente a primeira (uma vez que, aparentemente, as condições naturais de defesa terão dispensado o seu prolongamento pelo lado Sudeste), a segunda linha de muralha acompanha de perto a primeira. Todo este complexo defensivo era reforçado por três fossos, escavados no próprio afloramento granítico, e por campos de pedras fincadas, mesmo que a abertura de um caminho de terra batida tenha, em tempos, originado a demolição de parte significativa destes últimos componentes.
Quanto à área interna definida pela primeira muralha, foram nela identificadas estruturas habitacionais de planta predominantemente circular (algumas das quais pavimentadas com lajeado granítico), apesar de muitas se apresentarem bastante derrubadas. A par destes elementos, foram ainda recolhidos diversos vestígios de cerâmica manual atribuída à Idade do Ferro, bem como material de construção (tegula e imbrex) da época romana. Para além destes testemunhos, foram também encontrados artefactos tão díspares, quanto um numisma de bronze, partes de uma chapa de bronze e um fragmento de mó manual , na sequência da primeira escavação conduzida no local por A. Miranda Júnior em meados do século passado e da intervenção realizada, já em 1982, pela Unidade de Arqueologia da Universidade do Minho.
[AMartins]

Bibliografia

Título

A Cultura Castreja no Noroeste de Portugal

Local

Paços de Ferreira

Data

1986

Autor(es)

SILVA, Armando Coelho Ferreira da

Título

De Aquae Flaviae a Chaves. Povoamento e organização do território entre a Antiguidade e a Idade Média

Local

Porto

Data

1986

Autor(es)

TEIXEIRA, Ricardo Jorge Coelho Marques Abrantes

Título

Breves Notas sobre a região do Alto Tâmega

Local

Chaves

Data

1984

Autor(es)

MARTINS, João Baptista

Título

Extractos archeologicos das Memórias Parochiais de 1758, O Archeologo Português

Local

Lisboa

Data

1901

Autor(es)

AZEVEDO, Pedro A. de

Título

Castros do concelho de Boticas, Trabalhos de Antropologia e Etnologia

Local

Porto

Data

1983

Autor(es)

SANTOS JÚNIOR, Joaquim Rodrigues dos, SANTOS, Joaquim Norberto dos, MIRANDA JÚNIOR, Avelino

Título

Subsídios para o estudo arqueológico de Montalegre, Mealhada e Viseu, Ethnos

Local

Lisboa

Data

1969

Autor(es)

SANTOS, Maria Cristina

Título

Visita a Castros nos arredores de Chaves

Local

Chaves

Data

1971

Autor(es)

MONTALVÃO, António