Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de Santa Iria, paroquial de Santa Iria - detalhe

Designação

Designação

Igreja de Santa Iria, paroquial de Santa Iria

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Paroquial de Santa Iria / Igreja Paroquial de Santa Iria / Igreja de Santa Iria (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Beja / Serpa / Serpa (Salvador e Santa Maria)

Endereço / Local

Estrada da Mina de São Domingos
Santa Iria

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 174/2017, DR, 2.ª série, n.º 130, de 7-07-2017 (alterou a designação e revogou a portaria anterior) (ver Portaria)
Proposta de 20-12-2016 da DGPC para retificação da paróquia, de Salvador, para Santa Iria
Portaria n.º 247/2013, DR, 2.ª série, n.º 79, de 23-04-2013 (ver Portaria)
Procedimento prorrogado até 30-06-2013 pelo Decreto-Lei n.º 265/2012, DR, 1.ª série, n.º 251, de 28-12-2012 (ver Diploma)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 21-11-2012 da diretora-geral da DGPC
Procedimento prorrogado pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Anúncio n.º 14992/2011, DR, 2.ª série, n.º 201, de 19-10-2011 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 31-05-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer de 31-05-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor a classificação como MIP
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Proposta de 16-12-2010 da DRC do Alentejo para a classificação como IIP
Edital de 13-06-2005 da CM de Serpa
Despacho de abertura de 18-03-1991 do presidente do IPPC
Proposta de 5-02-1991 do IPPC para a abertura da instrução do processo de classificação
Processo iniciado em 1984 no IPPC

ZEP

Portaria n.º 174/2017, DR, 2.ª série, n.º 130, de 7-07-2017 (alterou a designação e revogou a portaria anterior) (ver Portaria)
Proposta de 20-12-2016 da DGPC para retificação da paróquia, de Salvador, para Santa Iria
Portaria n.º 247/2013, DR, 2.ª série, n.º 79, de 23-04-2013 (sem restrições) (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 21-11-2012 da diretora-geral da DGPC
Anúncio n.º 14992/2011, DR, 2.ª série, n.º 201, de 19-10-2011 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 31-05-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer favorável de 31-05-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 16-12-2010 da DRC do Alentejo

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Edificada no início do século XVI, a Igreja de Santa Iria é um pequeno templo que se destaca sobretudo pelo conjunto de pinturas murais quinhentistas que decoram a capela-mor.
Embora de pequenas dimensões, o templo apresenta uma estrutura exterior sem dúvida integrada no ciclo da arquitectura manuelina alentejana, com contrafortes rematados por pináculos e merlões em todo o remate do edifício.
Na fachada foi aberto o portal de moldura recta, encimado por friso e óculo. O conjunto é rematado em empena triangular com merlões, truncada por sineira.
A nave do templo, dividida em três tramos, é coberta por abóbada de berço, e possui do lado do Evangelho o baptistério, púlpito de cantaria e altar lateral com nicho. Um arco triunfal de volta perfeita permite o acesso à capela-mor.
De planta quadrangular, este espaço é coberto por abóbada de cruzaria revestida por pinturas murais fragmentadas. A parede fundeira é decorada com as representações de Cristo Crucificado , ao centro, ladeado por Santa Luzia e Santa Águeda .
Na parede do lado da Epístola, foi pintada a Descida de Cristo ao limbo , flanqueada por São Bento de Núrsia e São Domingos de Gusmão . No pano murário fronteiro, junto à entrada para a sacristia, figuram a Ressurreição e Santa Catarina .
Este conjunto de pinturas murais, de carácter erudito, executados na segunda metade do século XVI, é atribuído a uma oficina eborense.
Catarina Oliveira
IPPAR/2007

Imagens