Saltar para o conteúdo principal da página

Casa do Assento - detalhe

Designação

Designação

Casa do Assento

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Guimarães / Leitões, Oleiros e Figueiredo

Endereço / Local

-

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Anúncio n.º 13755/2012, DR, 2.ª série, n.º 236, de 6-12-2012 (ver Anúncio)
Despacho de arquivamento de 29-07-2012 do diretor-geral da DGPC
Parecer favorável de 25-07-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Procedimento prorrogado até 31 de Dezembro de 2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Proposta de 14-09-2011 da DRCNorte para arquivamento, atendendo a que devido a obras entretanto realizadas pouco mais restou do que as paredes estruturais do edifício, pelo que não tem valor nacional, podendo vir a ser classificado pela autarquia como de IM
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30 de Dezembro (ver Despacho)
Despacho de abertura de 8-08-1991 do Presidente do IPPC
Proposta de abertura de 18-07-1981 do IPPC
Proposta de classificação de 19-01-1989, de particular

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Trata-se de um exemplar de arquitectura civil privada maneirista que se insere no contexto da grande casa rural, característica da região de Entre Douro e Minho com uma torre revivalista ameada e terreiro também rematado com merlões.
A casa destaca-se do meio envolvente rural e isolado, sendo separada a Sul pelo muro ameado do terreiro, a Norte por construções anexas e a Oeste pelo muro de vedação ao qual se encontra adossada.
A casa exibe uma planta centralizada regular de desenvolvimento horizontal, composta por dois núcleos básicos: o corpo principal, mais antigo e a torre construída posteriormente. cobertura homogénea em telhado de 4 águas. Fachada principal apresenta ao nível do primeiro piso uma zona de entrada destinada às arrecadações agrícolas através de um átrio suportado por duas colunas. O acesso ao primeiro andar faz-se por uma escada de granito que, do exterior, conduz a um alpendre que se desenvolve ao longo de quase toda a fachada Oeste. O corpo que se desenvolve no extremo Sul da fachada principal é marcado pelos dois pináculos que o delimitam ao nível do telhado bem como pela ventana com sino e rematada com cruz latina entre ambos os pináculos. No extremo Sul da fachada principal podemos observar a torre, também ela marcada por quatro pináculos ao nível do telhado. A casa encontra-se intimamente ligada ao pátio, no centro do qual se pode observar uma fonte em granito. Na definição do espaço circundante é relevante o papel do muro de granito ameado à semelhança da torre. O pátio é contornado por muretes revestidos de azulejos, apresentando quase todos padrões diferentes, o que nos faz supor serem provenientes de diversos locais (conventos, igrejas, etc.).
[AAM]

Imagens