Saltar para o conteúdo principal da página

Casa do Morgado de São Bento - detalhe

Designação

Designação

Casa do Morgado de São Bento

Outras Designações / Pesquisas

Casa dos Morgados de São Bento (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Vila do Conde / Vila do Conde

Endereço / Local

Rua da Lapa
Vila do Conde

Proteção

Situação Actual

Procedimento caducado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Procedimento caducado nos termos do artigo 78.º do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, N.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma) , alterado pelo Decreto-Lei n.º 265/2012, DR, 1.ª série, n.º 251, de 28-12-2012 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Despacho de abertura de 2-06-1995

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Casa do Morgado de São Bento foi edificada em meados do século XVII no centro de Vila do Conde por Jacome Carneiro Barbosa, capitão-mor de Vila do Conde. Permaneceu na posse da família Barbosa, fundadora da capela de São Bento situada no centro da vila, até 1855, quando foi vendida a José da Costa Faria e Silva, ministro de D. Maria II. Cerca de 1871 foi edificada uma nova área residencial, adossada ao edifício principal.
O núcleo original da Casa de São Bento é um exemplar da arquitectura senhorial maneirista edificada em meios urbanos, cujos modelos apresentam grande sobriedade estrutural e decorativa. A planta rectangular desenvolve-se longitudinalmente, dividida em dois registos, e a fachada principal é marcada pela regularidade da abertura de janelas, alternando-se no registo superior janelas de peito com janelas de sacada. No piso térreo as janelas de sacada são substituídas por portas.
Na extremidade esquerda da fachada principal destaca-se o corpo edificado na segunda metade do século XIX, de gosto neoclássico. Apesar de algumas diferenças estruturais, como o frontão triangular que remata o frontispício ou os elementos decorativos, é evidente a procura de harmonia entre o corpo neoclássico e a edificação maneirista já existente.
A divisão interior da casa adequa-se às directrizes da tratadística italiana dos séculos XVI e XVII, sendo destinado o piso térreo para armazéns e divisões de serviço, e o superior para as zonas de habitação e salas nobres. No interior ainda se podem ver vestígios de pinturas a fresco nas paredes, embora se encontrem muito degradadas, e caixotões de madeira que cobrem alguns dos tectos das salas.
Juntamente com o palacete fronteiro, a Casa de São Sebastião, e o fontanário edificado junto de ambas, forma um largo, exemplo do planeamento urbanístico seiscentista em Vila do Conde.
Catarina Oliveira
IPPAR/2005

Bibliografia

Título

Solares Portugueses

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

AZEVEDO, Carlos de

Título

Corografia Portuguesa e descripçam topographica do famoso Reyno de Portugal

Local

Lisboa

Data

1712

Autor(es)

COSTA, Pe. António Carvalho da

Título

Guia de Portugal, v.4, t. I : Entre Douro e Minho, Douro Litoral

Local

Lisboa

Data

1983

Autor(es)

PROENÇA, Raul

Título

Vila do Conde

Local

Vila do Conde

Data

1991

Autor(es)

NEVES, Joaquim Pacheco

Título

Vila do Conde e o seu Alfoz - Origens e Monumentos

Local

Porto

Data

1923

Autor(es)

FERREIRA, Augusto

Título

Vila do Conde

Local

Lisboa

Data

1998

Autor(es)

MIRANDA, Marta