Saltar para o conteúdo principal da página

Casa e Capela da Quinta de Corujeiras - detalhe

Designação

Designação

Casa e Capela da Quinta de Corujeiras

Outras Designações / Pesquisas

Casa e Capela da Quinta de Corujeiras (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Guimarães / Infantas

Endereço / Local

-- -
Corujeiras

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 452/2012, DR, 2.ª série, n.º 181, de 18-09-2012 (ver Portaria)
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma
Anúncio n.º 16797/2011, DR, 2.ª série, n.º 219, de 15-11-2011 (ver Anúncio)
Parecer de 31-05-2011 da SPAA do CNC, mantendo o conteúdo do parecer anterior
Pedido de esclarecimento de 30-03-2011 da DRC do Norte sobre o parecer da SPAA do CNC
Despacho de 25-01-2011 do diretor do IGESPAR, I.P. a remeter o processo à DRC do Norte para revisão da proposta
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Parecer de 15-12-2010 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor a classificação apenas do núcleo urbano dos séc. XVII/XVIII constituído pela casa e capela anexa
Nova proposta de 8-09-2009 da DRC do Norte
Devolvido à DR do Porto do IPPAR em 3-08-2006 para juntar proposta de ZEP
Proposta de 4-02-2002 da DR do Porto do IPPAR para a classificação como MIP
Despacho de abertura de 20-01-2000 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de abertura de 17-12-1999 da DR do Porto do IPPAR
Proposta de classificação de 31-05-1989 dos proprietários

ZEP

Portaria n.º 452/2012, DR, 2.ª série, n.º 181, de 18-09-2012 (sem restrições) (ver Portaria)
Anúncio n.º 16797/2011, DR, 2.ª série, n.º 219, de 15-11-2011 (ver Anúncio)
Parecer de 31-05-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura, mantendo o conteúdo do parecer anterior
Pedido de esclarecimento de 30-03-2011 da DRC do Norte sobre o parecer da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Despacho de 25-01-2011 do diretor do IGESPAR, I.P. a remeter o processo à DRC do Norte para revisão da proposta
Parecer de 15-12-2010 da SPAA do CNC a propor que a ZEP coincida com os limites físicos da quinta
Proposta de 8-09-2009 da DRC do Norte

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Localizada perto de Vila Nova das Infantas, local de residência das filhas de D. Sancho I, a Casa e Quinta das Corujeiras é dominada pelo esplendor da paisagem envolvente.
As referências documentais a este imóvel remontam ao século XII, tendo constituído o antigo Morgadio da família Noronha de Menezes, instituído na segunda metade do século XVI por D. Violante Correia de Mesquita. Contudo, a construção que hoje observamos é fruto da reedificação do primitivo solar, ocorrida no primeiro quartel do século XVII, a expensas do então proprietário D. Bartolomeu de Noronha e Menezes. Este local esteve, mais tarde, ligado às Guerras Liberais, quando o último morgado de Corujeiras e partidário de D. Miguel, D. Manuel de Noronha e Menezes de Mesquita, aqui se refugiou após a vitória dos liberais. Posteriormente, o espaço da Quinta foi reestruturado, tornando-se Turismo de Habitação Rural.
A Casa de Corujeiras, de características maneiristas, bem visíveis na depuração das linhas e regularidade dos alçados, articula dois corpos que se desenvolvem em L, e uma capela, pouco afastada. Esta última denuncia já uma linguagem própria do período barroco. Todo o conjunto acompanha o declive do terreno, situação que se torna mais evidente na fachada posterior.
O corpo principal, de dois andares, desenvolve-se através de um átrio interior, em granito, que faz a distribuição dos espaços no piso térreo - tulha, adega, cavalariças. Uma escadaria de dois lanços, com remates em forma de voluta, permite o acesso ao andar nobre. O corpo posterior corresponde à cozinha, cujo tratamento menos cuidado pode indiciar tratar-se de uma construção anterior.
A capela, de uma só nave e planta rectangular, apresenta fachada com eixo central formado pelo portal, janela e pedra d'armas, terminando em empena contra curvada, com pináculos laterais e cruz central. Todos os vãos (portal, janelas superior e laterais), são rematados por lintel ondulado. No interior destaca-se o coro-alto, iluminado pela janela da fachada, bem como o altar-mor, cujo retábulo de gosto neoclássico integra a imagem do Senhor dos Passos.
O risco da capela tem vindo a ser atribuído a Nicolau Nasoni, não apenas pelas aproximações ao vocabulário empregue noutras obras da sua autoria, mas também com base na proximidade da relação mantida entre o arquitecto italiano e dois dos netos de D. Bartolomeu e D. Maria Pessoa de Vasconcelos - D. Manuel de Noronha, arcediago da Sé do Porto, e D. Luís de Noronha, arcediago de Penela e Abade da Cumieira. Por outro lado, a família Noronha de Menezes era a proprietária da Casa da Prelada, no Porto, que muito embora tenha sido construída me meados do século XVIII, foi obra de Nasoni (SMITH, 1979, p. ). Este facto vem corroborar a ligação do artista italiano à família, reforçando a possibilidade da autoria da traça da capela.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Nicolau Nasoni, arquitecto do Porto

Local

-

Data

1966

Autor(es)

SMITH, Robert C.

Título

Cozinhas. Espaço e Arquitectura

Local

Lisboa

Data

2006

Autor(es)

PEREIRA, Ana Marques