Saltar para o conteúdo principal da página

Solar com capela e lagar de azeite na Quinta da Cruz - detalhe

Designação

Designação

Solar com capela e lagar de azeite na Quinta da Cruz

Outras Designações / Pesquisas

Solar dos Mascarenhas Marreiros Leite e Lagar de Azeite / Solar dos Mascarenhas Marreiros Leite / Solar da Quinta da Cruz / Hotel Rural Capela das Artes (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Solar

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Faro / Silves / Alcantarilha e Pêra

Endereço / Local

Quinta da Cruz
Alcantarilha

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 621/2013, DR, 2.ª série, n.º 182, de 20-09-2013 (ver Portaria)
Anúncio n.º 13285/2012, DR, 2.ª série, n.º 140, de 20-07-2012 (ver Anúncio)
Parecer de 18-06-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor a classificação como MIP
Anúncio n.º 17202/2011, DR, 2.ª série, n.º 233, de 21-11-2011 (ver Anúncio)
Despacho de abertura de 27-10-2011 do director do IGESPAR, I.P.
Proposta de classificação de 23-09-2011, do proprietário
Procedimento caducado nos termos do artigo 78.º do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, N.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma)
Despacho de abertura de 8-01-2008 do director do IGESPAR, I.P.
Proposta de 4-01-2008 da DRC do Algarve para a abertura do procedimento de classificação dos Edifícios Solar com Capela e Lagar de Azeite
Proposta de 28-08-2000 do proprietário para a classificação do Prédio Misto designado por Quinta da Cruz
Ofício enviado em 1-07-1986 à CM de Silves a informar que o Solar dos Mascarenhas Marreiros Leite se encontrava em vias de classificação
Proposta de classificação de 20-01-1986 da Casa do Algarve (um solar)

ZEP

Portaria n.º 621/2013, DR, 2.ª série, n.º 182, de 20-09-2013 (sem restrições) (ver Portaria)
Anúncio n.º 13285/2012, DR, 2.ª série, n.º 140, de 20-07-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 18-06-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 2-04-2012 da DRC do Algarve

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

As origens do solar da Quinta da Cruz remontam, pelo menos, ao século XV, época em que o edifício se desenvolvia num único piso. Ao longo das centúrias seguintes, o imóvel, pertença da família Mascarenhas, foi sendo objecto de múltiplas intervenções, bem visíveis no acrescento de um piso e nos vários volumes que o constituem. De uma forma geral, o solar pauta-se pela depuração, com predominância de vãos simétricos de verga recta (são muito poucos os que exibem molduras trabalhadas), e pelas escadarias exteriores que permitem o acesso às varandas e ao piso superior.
Uma das campanhas de obras mais significativa foi, certamente, a que incidiu sobre a capela, consagrada em 1791 pelo então Bispo do Algarve, D. Francisco Gomes Avelar. Muito embora se encontre hoje desprovida do seu equipamento religioso, as paredes conservam ainda os frescos de motivos geométricos.
Em termos económicos e de desenvolvimento para a região, a quinta desempenhou um papel fundamental. Era um importante centro agrícola, com um lagar que, no final do século XVIII, era um dos poucos em funcionamento da região, dispondo ainda de um poço que, durante muito tempo, abasteceu a população de Alcantarilha.
Actualmente, e desde 2001/2002, o solar foi transformado numa unidade de turismo rural com uma forte componente cultural e artística. Denominado Capela das Artes, este espaço pretende privilegiar a criação artística e a organização de exposições e conferências. Para tal, foi construído, num plano mais afastado do edifício principal, um outro bloco para os quartos, e o lagar, conservando algum do equipamento original, foi adaptado a oficina. No solar encontram-se as salas polivalentes que podem ser adaptadas às mais diversas funções.
(RC)

Imagens