Saltar para o conteúdo principal da página

Estação da Mala-Posta de Carquejo - detalhe

Designação

Designação

Estação da Mala-Posta de Carquejo

Outras Designações / Pesquisas

Estação da Malaposta de Carqueijo / Estação da Malaposta de Carqueijo (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Estação de Malaposta

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Aveiro / Mealhada / Casal Comba

Endereço / Local

EN 1 (km. 16)
Casal Comba

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 45/93, DR, I Série-B, n.º 280, de 30-11-1993 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O edifício da mala-posta de Carqueijo tem por modelo a estação de casal dos Carreiros, o primeiro imóvel expressamente concebido para o efeito e que foi objecto de um plano cuidadosamente concebido. As tentativas para criar um serviço de ligação diária entre Lisboa e o Porto por diligências tiveram início em 1852, mas as dificuldades então sentidas, fruto de algumas dificuldades (principalmente ao nível das estradas) e desarticulação, só puderam ser superadas graças a Fontes Pereira de Melo que, depois de assumir o cargo de Ministro das Obras Públicas, em 1852, estabeleceu um amplo plano de trabalhos com o objectivo de implementar definitivamente este serviço. O primeiro trajecto ligava apenas o Carregado (onde as pessoas chegavam de vapor) a Coimbra e demorava 23 horas. Só com a conclusão da estrada até Vila Nova de Gaia foi possível prolongar o percurso, o que ocorreu entre 1957 e 1959, passando então a viagem a demorar 34 horas.
Neste longo trajecto, era necessário haver um conjunto de estações onde fosse possível trocar de cavalos: tendo sido construídas para o mesmo efeito e num período relativamente curto, todas elas revelam uma enorme unidade arquitectónica, pautando-se por uma grande depuração e funcionalidade. A de Carqueijo insere-se já nesta segunda fase do percurso, constituindo a 15ª estação onde apenas se mudavam os cavalos (FERREIRA, 1946, pp. 192-193).
Tal como as restantes, também o edifício de Carqueijo desenha uma planta em U, em que os corpos mais alongados correspondiam a cozinhas e ao quarto do feitor, à esquerda, reservando-se a ala direita ao palheiro e ao armazenamento de arreios. A zona mais comprida destinava-se às cavalariças. Os alçados são marcados pelos habituais vãos de verga em arco de volta perfeita. Todavia, as mansardas que surgem nos alçados laterais constituem uma marca de distinção em relação às suas congéneres.
(Rosário Carvalho)

Bibliografia

Título

A Mala-Posta em Portugal

Local

Lisboa

Data

1946

Autor(es)

FERREIRA, Godofredo