Saltar para o conteúdo principal da página

Ponte do rio Vade - detalhe

Designação

Designação

Ponte do rio Vade

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Ponte

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Ponte da Barca / Ponte da Barca, Vila Nova de Muía e Paço Vedro de Magalhães

Endereço / Local

-- -
Lugar do Cruzeiro

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 251/70, DG, I Série, n.º 129, de 3-06-1970 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Apesar das opiniões que atribuem uma origem romana a esta ponte (RIBEIRO, 1998, p.186), a verdade é que a sua actual estrutura é claramente medieval, indicando a existência de uma reconstrução nesse período. É, no entanto, provável que, durante o domínio romano, se tivesse edificado uma primeira passagem, na medida em que este local seria um ponto no traçado de uma das muitas vias romanas da região, neste caso permitindo o trânsito nos sentidos Norte-Sul, ligando o Alto Minho a Braga. O facto de assentar sobre um arco de volta perfeita, bem aberto e formado por aduelas relativamente largas e de talhe perfeito, é um importante indicador dessa cronologia romana e um acrescentado motivo de interesse do monumento.
Muitos séculos depois, provavelmente no século XII ou já no seguinte, a ponte foi profundamente reformulada. É a essa empreitada que devemos a actual configuração (em particular o perfil do seu tabuleiro), realizada num momento de reorganização do território e dos homens, e de profunda retoma económica de base agrária. Imediatamente acima do arco, e dispensando praticamente o aparelho de enchimento, eleva-se o tabuleiro, em cavalete de dupla rampa e com assinalável inclinação, que em tudo contraria a horizontalidade dos tabuleiros romanos. Parte do pavimento ainda se conserva, à base de lajes irregularmente talhadas, e os parapeitos são, também, de origem medieval, com duas fiadas de blocos de granito.
Ponte de dimensões relativamente modestas, com um só arco de sustentação, a ponte sobre o rio Vade não se pode comparar com as passagens góticas de grande impacto regional de Ponte de Lima ou de Ponte da Barca. Ela pertence ao período imediatamente anterior, em que a actividade pontística medieval privilegiou as passagens de menor amplitude e as estruturas de carácter utilitário, num estádio evolutivo de técnica e engenharia ainda intermédio.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

Pontes Antigas Classificadas

Local

Lisboa

Data

1998

Autor(es)

RIBEIRO, Aníbal Soares

Título

Ponte romana do rio Vade e cruzeiro do curro em Barca de Alva precisam de ser salvos da ruina, O Século, 10/4/1967

Local

Lisboa

Data

1967

Autor(es)

-