Saltar para o conteúdo principal da página

Cruzeiro de Roge - detalhe

Designação

Designação

Cruzeiro de Roge

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Cruzeiro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Aveiro / Vale de Cambra / Roge

Endereço / Local

Largo da Igreja
Roge

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 37 366, DG, I Série, n.º 70, de 5-04-1949 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Contemporâneo da igreja paroquial de São Salvador, o cruzeiro de Roge encontra-se implantado no seu adro, e comunga da mesma linguagem barroca que caracteriza a fachada do templo.
Quando, em 1947, a Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais consolidou o cruzeiro e restaurou a cruz, entretanto caída, foi possível proceder à leitura da data de 1762, em dois ferros que pertenciam à estrutura interna do monumento (DGEMN, IPA n.º 0119070002). Este ano de 1762 faz avançar, ligeiramente, a cronologia do cruzeiro em relação à igreja, que se pensa ter sido edificada em meados do século XVIII, conforme corrobora a data de 1755, inscrita no intradorso do arco triunfal.
O modelo utilizado no cruzeiro de Roge é relativamente comum no Norte do país, simbolizando, por outro lado, um dos valores mais importantes da vivência religiosa exterior, de setecentos. Profusamente esculpido, este cruzeiro conjuga motivos vegetalistas com figuras de atlantes (que, geralmente, carregam os mais variados elementos sobre as costas), e outros símbolos cristãos, como a cruz, bem visível no topo desta longa estrutura.
Sobre uma série de degraus erguem-se quatro figuras de atlantes coroados, sobre os quais assenta o soco paralelipipédico, com molduras onde se inscrevem motivos antropomórficos e vegetalistas. Sobrepõe-se-lhe a coluna, cujo fuste exibe enrolamentos e aves no primeiro terço, sendo o restante seccionado por losangos (com botões florais) dispostos em linhas helicoidais cruzadas. A coluna é rematada por um capitel coríntio, e o conjunto de cerca de 14m de altura, termina numa cruz assente sobre ampla esfera.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal - Aveiro, Beja, Coimbra, Évora, Leiria, Portalegre, Porto e Santarém

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos