Saltar para o conteúdo principal da página

Casa situada na Avenida Sidónio Pais e Avenida António Augusto Aguiar, 3-D (casa do Sr. Artur Prat, actualmente sede da Ordem dos Engenheiros) - detalhe

Designação

Designação

Casa situada na Avenida Sidónio Pais e Avenida António Augusto Aguiar, 3-D (casa do Sr. Artur Prat, actualmente sede da Ordem dos Engenheiros)

Outras Designações / Pesquisas

Casa Artur Prat / Casa de Artur Prat / Sede da Ordem dos Engenheiros(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Avenidas Novas

Endereço / Local

Avenida Sidónio Pais
Lisboa

Avenida António Augusto de Aguiar
Lisboa

Número de Polícia: 3 D

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 1/86, DR, I Série, n.º 2, de 3-01-1986 (ver Decreto)
Edital N.º 147/82 de 28-10-1982 da CM de Lisboa
Despacho de concordância de 3-07-1981 do Secretário de Estado da Cultura
Parecer de 26-06-1981 da Comissão "ad hoc" do IPPC a propor a classificação como IIP
Proposta de classificação de 18-03-1976 do IJF

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

No início do século XX, com a expansão da malha urbana de Lisboa, os terrenos situados ao cimo da Avenida da Liberdade, que pertenciam a Maria da Visitação Almeida Castelo Branco, foram expropriados pela Câmara Municipal de Lisboa para que aí se fizesse um parque público.
O projecto para o então designado Parque da Liberdade foi realizado pelo arquitecto Ventura Terra em 1908, e previa uma "linha contínua de construções pensadas para todo o perímetro da mancha verde disposta ao cimo da Avenida" (ATAÍDE; SOARES, 2000, p. 129).
Este plano não chegaria a ser realizado, mas foi precisamente o arquitecto quem projectou a primeira moradia edificada junto ao parque, mais tarde denominado Parque Eduardo VII.
Num terreno delimitado entre o parque e a futura Avenida António Augusto de Aguiar, o escultor e pintor Artur Prat e a sua mulher, Clementina Prat, mandaram edificar, cerca de 1912, a sua residência, projectada pelo arquitecto Ventura Terra.
O edifício, de gosto "afrancesado", recebeu a Menção Honrosa do Prémio Valmor de 1913, "por também nelle concorrerem predicados estheticos que encarecem a belleza e harmonia de proporções do edifício" (BAIRRADA, 1988, p. 74).
De planta rectangular, a casa divide-se em três pisos, possuindo pátio, terraço e jardim. A fachada apresenta, no piso térreo, porta ao centro, ladeada por duas janelas, sobre moldura com relevos. No piso intermédio, foi edificada uma varanda com guarda de ferro, para a qual abrem três janelas de sacada com recorte superior. No último piso, desenhado como se fosse uma mansarda, rasgam-se três janelas com frontão triangular.
O alçado posterior, que apresenta uma estrutura mais imponente, divide-se em dois pisos. No registo térreo, abrindo para o jardim, foi aberta uma porta, com moldura em arco abatido, cujos espaços entre aduelas foram decorados com relevos de motivos vegetalistas. Do lado direito, foram rasgadas três janelas. No andar superior abre-se uma loggia com colunata jónica, que do lado esquerdo forma uma varanda saliente, com arco de volta perfeita, formando frontão, decorado com folhagens em relevo. No eixo deste foi colocado um grande grupo escultórico, composto por três figuras femininas, da autoria de Artur Prat.
Em 1918, o edifício foi adquirido pela Condessa de Arrochela, Brites de Miranda Montenegro, e em 1935, devido aos elevados montantes que a proprietária devia ao banco Montepio Geral, a casa foi hipotecada por esta entidade e posta à venda em hasta pública. Foi então adquirida pela Associação dos Engenheiros Civis Portuguezes, que a partir de então ficou aí sediada.
No ano de 1936, o decreto-lei que criou a Ordem dos Engenheiros levou a que a associação suspendesse a sua actividade, arrendado o edifício à nova ordem, que aí instalou a sede, aproveitando não só o espaço como todo o recheio da casa.
Esta instalação seria definitiva com a extinção da Associação dos Engenheiros Civis em 1956, em consequência da qual todos os seus bens, incluindo a Casa Artur Prat, foram incorporados na Ordem dos Engenheiros.
Catarina Oliveira
DIDA/IGESPAR, I.P./ 1 de Outubro de 2007

Imagens

Bibliografia

Título

Monumentos e edifícios notáveis do distrito de Lisboa, vol. V (4º tomo)

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

ATAÍDE, M. Maia, SOARES, Maria Micaela

Título

A criação da Ordem dos Engenheiros, Ingenium, nº 1

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

LEMOS, Manuel Sande

Título

Ventura Terra (Miguel), Dicionário da História de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1994

Autor(es)

GONÇALVES, Julieta Cunha

Título

Prémio Valmor : 1902-1952

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

BAIRRADA, Eduardo Martins

Título

Cozinhas. Espaço e Arquitectura

Local

Lisboa

Data

2006

Autor(es)

PEREIRA, Ana Marques