Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja paroquial da freguesia do Tabuado - detalhe

Designação

Designação

Igreja paroquial da freguesia do Tabuado

Outras Designações / Pesquisas

Igreja do Salvador, paroquial do Tabuado / Igreja Paroquial do Tabuado / Igreja do Salvador(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Marco de Canaveses / Tabuado

Endereço / Local

Lugar da Igreja
Tabuado

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 33 587, DG, I Série, n.º 63, de 27-03-1944 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Tabuado é uma igreja cujas origens remontam ao século XII e ao reinado de D. Afonso Henriques, monarca que delimitou o couto de Tabuado em favor de Gosendo Álvares. As parcelas mais antigas do monumento que se conservam datam genericamente da segunda metade do século XII e inícios do seguinte, constituindo um conjunto patrimonial de grande interesse, vincadamente românico e importante para caracterizar a arte da região durante os primeiros tempos da monarquia.
É um edifício de modestas proporções, de nave única e capela-mor rectangular, mais baixa e estreita que o corpo. O portal principal é ligeiramente quebrado, de três arquivoltas decoradas com meias esferas e moldura exterior enxaquetada. O tímpano é liso, porém assente sobre poderosos gonzos animalescos que desempenham a função de guarda da entrada. A um nível superior, mas em posição axial com o portal, rasga-se uma rosácea de relativo impacto, vazada por sete orifícios circulares em posição radial. Do lado Sul, o portal meridional repete sumariamente as mesmas características do ocidental, embora com menor tratamento, de arco apontado e duas arquivoltas. No interior, destaca-se o arco triunfal, igualmente quebrado.
Em época ligeiramente posterior adossou-se ao segmento setentrional da fachada principal um maciço pétreo que desempenha as funções de torre sineira, de duplo arco apontado. No final da Idade Média, algumas paredes do interior foram revestidas com pinturas murais, de que se conservam vestígios na parede fundeira da capela-mor, concretamente três painéis onde se representaram Cristo, São João Baptista e Santiago. Mas as grandes obras estruturais ocorreram no século XVII, altura em que os patronos do templo, os Correias de Montenegro, instituíram a capela de Jesus. Na época barroca, o interior foi engrandecido com altares de talha, que se conservam genericamente graças à não-radicalidade do restauro efectuado nas décadas de 50 e 60 do século XX.
Paulo Fernandes | GIF | IPPAR
15.12.2006