Saltar para o conteúdo principal da página

Estação dos Caminhos de Ferro de São Bento, também denominada «Estação de São Bento», incluindo a gare metálica, os painéis de azulejos e a boca de entrada no túnel - detalhe

Designação

Designação

Estação dos Caminhos de Ferro de São Bento, também denominada «Estação de São Bento», incluindo a gare metálica, os painéis de azulejos e a boca de entrada no túnel

Outras Designações / Pesquisas

Estação Ferroviária de São Bento / Estação de São Bento(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Estação Ferroviária

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Porto / Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória

Endereço / Local

Praça de Almeida Garret
Porto

Rua da Madeira
Porto

Rua do Loureiro
Porto

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 67/97, DR, I Série-B, n.º 301, de 31-12-1997 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Ao longo da primeira metade do século XIX, o território português assistiu a uma série de profundas mutações, fortalecida pela implementação do regime liberal em 1834. Estas transformações tiveram, no entanto, graves repercussões ao nível do património edificado, incluindo a própria azulejaria, justamente por ter sido maioritariamente encomendada e utilizada por representantes do clero e da velha aristocracia.
A partir desta altura, o azulejo continuou a ser integrado na arquitectura, embora parte significativa do denominado "azulejo artístico" passasse a ser substituído pelo "azulejo industrial", mais simples e, na maioria das vezes, aplicado no acabamento de fachadas de prédios de rendimento urbano de perfil burguês, naquela que se transformaria numa das tradições mais características e peculiares da prática azulejar portuguesa.
E apesar de algumas fábricas terem encerrado as suas portas logo nos primeiros decénios de oitocentos, terá sido o regresso de emigrantes enriquecidos em terras brasileiras que possibilitou a reactivação de antigos centros produtivos. Foi o que sucedeu no Porto, com Massarelos e Miragaia. Mas este retorno abriu de igual modo caminho à fundação de outras unidades, a exemplo da fábrica do Carvalhinho e das Devesas.
O século XIX trouxe, porém, ao território português uma outra realidade. O lançamento de troços de caminhos de ferro estreitou paragens, gentes e culturas, num circuito mundial ditado pelos novos e crescentes interesses económicos.
É neste preciso contexto que se insere a "Estação dos Caminhos de Ferro de São Bento", localizada no coração da cidade, na Praça de Almeida Garrett. Erigido no século XVI para acolher o convento das freiras beneditinas de São Bento de Ave Maria, o edifício foi sujeito a três tipos de intervenção, tendo D. Carlos I (1863- 1908) lançado a primeira pedra para o actual imóvel em 1900, numa altura em que o convento se apresentava bastante degradado, razão pela qual fora entretanto demolido, depois de ter sido destruído por um incêndio em 1783 e reconstruído no início do século seguinte.
Inaugurada em 1916, após a abertura da Ponte D. Maria Pia, e optando-se pela edificação de uma gare com oito linhas terminais e cinco cais de embarque, o seu risco foi entregue ao arquitecto portuense José Marques da Silva (1869-1947). Apresentando exteriormente linhas arquitectónicas e gramática decorativa de fundo neoclássico tardio, bem como na própria monumentalidade exibida, é provável que o facto de ter cursado em Paris explicite a forte influência exercida pela denominada arquitectura da École de Beaux Arts nalgumas das soluções estéticas observadas no imóvel.
É, contudo, no átrio principal que se encontrará a sua maior força artística. Aí, os alçados encontram-se totalmente decorados com cerca de vinte mil azulejos, executados a branco e azul pelo pintor Jorge Colaço (1864-1942), formado nos meios académicos parisienses (onde foi discípulo do mestre Cormon (1854-1924)), que os rodeou de um friso multicolor, onde se historia a viação.
Uma vez mais, confirmava-se que o preenchimento das paredes não tinha de resultar, necessariamente, numa dependência total da produção fabril de motivos repetitivos. Com efeito, e prosseguindo um pouco a tradição iniciada por Luís Ferreira (1807-?), Jorge Colaço, já amplamente apreciado pela sua obra pictórica, notabilizou-se também pela composição de grandes painéis azulejares. Ficaria, porém, famoso ao imprimir nesta arte um assumido gosto historicista, algo tardo-romântico, que perpassaria quase todo o século XX, em boa parte devido à figuração preferencial de alguns dos episódios e personalidades considerados mais emblemáticos da nossa História, a par de elementos de fundo paisagístico e folclórico.
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal: Cidade do Porto

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

QUARESMA, Maria Clementina de Carvalho

Título

O Arquitecto José Marques da Silva e a Arquitectura no Norte do País na primeira metade do Séc. XX

Local

Porto

Data

1997

Autor(es)

CARDOSO, António

Título

História da Arte em Portugal, vol. 11

Local

Lisboa

Data

1993

Autor(es)

RIO-CARVALHO, Manuel

Título

O Azulejo em Portugal

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

MECO, José

Título

Azulejaria Portuense

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

MARTINS, Fausto S.

Título

Marques da Silva

Local

Vila do Conde

Data

2012

Autor(es)

CARDOSO, Ana Sofia

Título

Arquitectura Moderna e Obra Global a partir de 1900

Local

Porto

Data

2009

Autor(es)

TOSTÕES, Ana