Saltar para o conteúdo principal da página

Capela de Santa Eulália - detalhe

Designação

Designação

Capela de Santa Eulália

Outras Designações / Pesquisas

Capela de Santa Eulália(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Ponte de Lima / Refóios do Lima

Endereço / Local

EN 202
Refóios do Lima

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 44 675, DG, I Série, n.º 258, de 9-11-1962 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A capela de Santa Eulália está ligada ao mosteiro de Refoios do Lima, instituição com provável origem no período condal, mas da qual não temos indicadores suficientes de caracterização. Parece certo que, na Baixa Idade Média, o cenóbio "viu muito alargada a sua influência", dispondo de uma vasta área fundiária e de uma assinalável importância regional (ALVES, 1982, pp.92-93). A construção da capela é ainda discutida, mas tudo leva a crer que tenha ocorrido em plena fase de afirmação do mosteiro.
Com efeito, não existem dados seguros acerca da época em que se levantou o templo, nem tão pouco informações sobre os seus patrocinadores e consequentes recursos. Durante muito tempo, pensou-se que a capela poderia datar do final do século XIV, a partir de uma leitura errada da inscrição funerária do abade Estêvão Lourenço (que se fez sepultar no interior, em arcossólio mandado fazer por si em 1292, e não em 1392, como a maioria dos autores entendeu), o que a colocaria num ponto terminal de construir "ao românico" (ALMEIDA, 1978, vol.2, p.256; 1987, p.116; GRAF, 1986, vol.2, p.41). No entanto, como teve oportunidade de salientar Mário Barroca, a inscrição diz apenas respeito ao arcossólio e, se o monumento se tivesse ficado a dever ao abade, então dificilmente "este facto não seria silenciado pela inscrição" (BARROCA, 2000, p.1090).
Também duvidosa é a função primeira da capela. A maioria dos autores, baseando-se no conteúdo sepulcral da epígrafe de 1292, equacionou uma vocação funerária. Mesmo Jorge Rodrigues, que não partilha da ideia de ter sido construída pelo Abade Estêvão Lourenço, admite que ela seja o resultado de "alguma família da mais antiga nobreza portucalense da região do Lima", eventualmente relacionada com a torre medieval dos Azevedos (RODRIGUES, 1995, p.306).
As respostas a estas questões estão longe de estar esclarecidas. Desde Manuel de Aguiar Barreiros que se tem colocado em paralelo esta capela com a de Moreira de Lima, especialmente pelas analogias da decoração dos modilhões (BARREIROS, 1926, p.46). O templo de Moreira de Lima apresenta também dificuldades de datação, mas é de crer que a actual configuração tardo-românica se deva aos finais do século XIII, não obstante as reservas de Ferreira de Almeida. Os finais de Duzentos coincidem, precisamente, com a intenção do abade Estêvão Lourenço se sepultar em Santa Eulália, indicadores que, conjugados, sugerem uma cronologia por esta altura.
As características da capela parecem confirmar esta tardia datação. Planimetricamente, o templo articula nave única com capela-mor quadrangular, mais baixa que o corpo e iluminada por estreitas frestas. O portal principal é em arco duplo em volta perfeita, com arquivolta exterior e impostas decoradas com semi-esferas. Encima-o uma fresta ligeiramente descentrada, terminando a empena em linha recta, sobre a qual deveria existir, originalmente, um campanário.
A principal característica do templo é a sua cachorrada. Os modilhões apresentam uma decoração variada, muito figurativa e humanizada, onde é possível reconhecer um relativo eruditismo, patente, por exemplo, nas duas figuras orantes que Jorge Rodrigues sugeriu tratar-se de "um casal de fundadores / doadores do pequeno templo" (RODRIGUES, 1995, p.305).
Na época moderna, várias foram as alterações verificadas. Da segunda metade do século XVI é o retábulo-mor, maneirista, de estrutura tripartida e integrando quatro tábuas. Um século depois, (re)fez-se a sacristia (cujo lintel do arco de passagem ostenta a data de 1677) e, muito provavelmente, o anexo Norte (que corre ao longo do corpo do templo). De uma cronologia avançada no século XVIII são os retábulos laterais, em talha dourada a anunciar já o rococó. Em adiantado estado de ruína nos meados do século XX, a Comissão Fabriqueira patrocinou uma campanha de obras que não obteve concordância da DGEMN (NOÉ, 1992, DGEMN on-line), mas que, em todo o caso, não parece ter adulterado significativamente o imóvel.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

Jornadas de um curioso pelas margens do Lima. O Arqueólogo Português, vol..XXVIII, pp.49-51

Local

Lisboa

Data

1929

Autor(es)

PEREIRA, Félix Alves

Título

Roteiro da Ribeira Lima

Local

Porto

Data

1959

Autor(es)

AURORA, Conde de

Título

O mundo românico (séculos XI-XIII), História da Arte Portuguesa, vol.1, Lisboa, Círculo de Leitores, 1995, pp.180-331

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

RODRIGUES, Jorge

Título

Portugal roman, vol. II

Local

-

Data

1986

Autor(es)

GRAF, Gerhard N.

Título

Necrópoles e sepulturas medievais de Entre-Douro-e-Minho: séculos V a XV

Local

Porto

Data

1987

Autor(es)

BARROCA, Mário Jorge

Título

Arquitectura Românica de Entre Douro e Minho

Local

Porto

Data

1978

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

Igrejas e Capelas românicas da Ribeira Lima, Caminiana, ano IV, nº7, pp.47-118

Local

Caminha

Data

1982

Autor(es)

ALVES, Lourenço

Título

Inventário Artístico da Região Norte - III (Concelho de Ponte de Lima)

Local

Porto

Data

1974

Autor(es)

-

Título

Primeiras Impressões sobre a Arquitectura românica portuguesa, Revista da Faculdade de Letras do Porto, Série História, nº1, pp.3-56

Local

Porto

Data

1972

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

Alto Minho

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

Arquitectura religiosa do Alto Minho, 2 vols.

Local

Viana do Castelo

Data

1987

Autor(es)

ALVES, Lourenço

Título

Egrejas e Capelas Românicas de Ribeira Lima

Local

Porto

Data

1926

Autor(es)

BARREIROS, Manuel de Aguiar

Título

Epigrafia medieval portuguesa (862-1422)

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

BARROCA, Mário Jorge