Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Algoso - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Algoso

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Algoso (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Bragança / Vimioso / Algoso, Campo de Víboras e Uva

Endereço / Local

Rua do Castelo (Largo do Pelourinho)
Algoso

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Algoso foi antiga vila e sede de concelho, integrada no bispado de Bragança. Uma das primeiras referências à localidade data de 1230, quando a Ordem de Malta e os cavaleiros Templários assinaram uma concordata sobre várias terras então em litígio, entre as quais Ylgoso. Em 1480, Algoso terá recebido o seu primeiro foral das mãos de D. Afonso V, seguindo-se foral novo de D. Manuel em 1510; esta autonomia manteve-se até 1855, quando Algoso foi integrado no concelho de Vimioso. O seu pelourinho, certamente levantado na sequência do foral manuelino, ergue-se diante da antiga Casa da Câmara, num largo a caminho do castelo.
É constituído por um soco de quadro degraus quadrangulares, de pedra aparelhada, do qual arranca o conjunto da base, coluna, capitel e remate. A base é constituída por um paralelepípedo liso, quadrangular, semelhante a um quinto degrau, com o topo talhado em rampa, de forma a adequar-se ao arranque do fuste, sobre anéis hexagonais moldurados. A coluna tem fuste de secção hexagonal, em dois troços de tamanho quase idêntico, ornamentados com florões quadrifólios em faces alternadas. No troço inferior, já perto do topo deste, permanece uma argola de sujeição em ferro, cravada na face frontal (lisa). Sobre o último troço do fuste assenta um terceiro, fazendo as vezes de capitel: a sua altura é cerca de um quarto dos anteriores, e é decorado com florões e carrancas, em faces alternadas. Serve de apoio a um ábaco em cruzeta, com curtos braços salientes ornados de florões nos topos, entre faces uma vez mais ornadas de carrancas. O remate é um prisma ao alto, com o brasão de armas de Portugal encimado por coroa aberta, flor-de-lisada, na face frontal. O conjunto é sobrepujado por uma esfera armilar. Apresenta bastantes semelhanças com outros na região, como o de Macedo de Cavaleiros, ou em regiões vizinhas, caso de Frechas (Mirandela) ou do Outeiro (Bragança). SML

Imagens

Bibliografia

Título

Pelourinhos Portugueses, Tentâmen de Inventário Geral

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

MALAFAIA, E. B. de Ataíde