Saltar para o conteúdo principal da página

Fortaleza de Juromenha - detalhe

Designação

Designação

Fortaleza de Juromenha

Outras Designações / Pesquisas

Fortificações da Vila de Juromenha / Fortaleza de Juromenha(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Fortaleza

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Évora / Alandroal / Alandroal (Nossa Senhora da Conceição), São Brás dos Matos (Mina do Bugalho) e Juromenha (Nossa Senhora do Loreto)

Endereço / Local

-- -
Juromenha

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 41 191, DG, I Série, n.º 162, de 18-07-1957 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

As primeiras referências ao sítio da Juromenha datam da segunda metade do século IX. Durante mais de duzentos anos este local foi considerado a praça-forte de defesa da zona de Badajoz, pertencendo desde o século X ao Califado de Córdova. Em 1167 D. Afonso Henriques conquistou a fortaleza, mas esta voltaria ao domínio do Califa Almasor em 1191. Este espaço de defesa do Guadiana só seria definitivamente reconquistado pela Coroa portuguesa em 1242.
Apesar de ter sido objecto de uma total reconstrução em 1312 por ordem de D. Dinis, a fortaleza foi entrando em progressiva decadência a partir do século XVI, só sendo revitalizada no período pós-Restauração, devido à sua importância estratégica.
No ano de 1644 eram apresentados ao Conselho de Guerra de D. João IV três planos de fortificação de Juromenha, que tinham como objectivo adaptar a velha fortaleza medieval à artilharia seiscentista (ESPANCA, Túlio, 1978). O primeiro, desenhado pelo engenheiro italiano Pascoeli, terá sido imediatamente recusado; o segundo projecto, da autoria do Padre João Cosmander, foi escolhido pelo Conselho, embora algum tempo depois as obras tenham sido interrompidas devido aos elevados custos materiais e à inviabilidade técnica do mesmo. O terceiro plano, da autoria do engenheiro francês Nicolau de Langres, foi aprovado em 1646. As obras prolongaram-se pelos anos seguintes e decorriam ainda quando o paiol de pólvora explodiu em 1659, arruinando grande parte das estruturas já edificadas, bem como o antigo paço.
A fortaleza foi edificada segundo uma planta de modelo poligonal, composto por duas cinturas de muralhas, uma interna, onde se situa a torre de menagem, e outra externa, sendo esta de tipo abaluartado. No espaço interior da fortaleza foram edificadas as igrejas da Misericórdia e a matriz, bem como os antigos Paços do Concelho e respectiva cadeia, e uma cisterna de planta rectangular que abastecia a população.
Esta fortificação obedece "ao sistema dominante da sua época em toda a Europa, vulgarmente chamado tipo Vauban" (Idem, ibidem). Com o terramoto de 1755 a fortaleza ficou muito afectada, sobretudo a área de edificação seiscentista, pelo que foram feitas obras de reconstrução, que englobaram a construção de um fortim nas muralhas junto ao Guadiana, para aportarem as barcas.
Devido à sua posição estratégica na defesa das linhas fronteiriças, a Fortaleza da Juromenha foi sendo sucessivamente atacada ao longo dos séculos. Se em 1662 as tropas de D. João de Aústria ocuparam durante seis anos a fortificação, que regressaria à posse da Coroa Portuguesa na Paz Geral de 1668, no início do século XIX, durante a Guerra Peninsular, a fortificação era tomada pelo exército de D. Manuel Godoy, só sendo recuperada em 1808.
A partir de então foi entrando em progressiva decadência, e em 1920 ficou despovoada. No ano de 1950 a Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais iniciou grandes obras de recuperação do espaço, numa campanha que se prolongou até 1996.
Catarina Oliveira
GIF/IPPAR/2005

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal - vol. IX (Distrito de Évora, Zona Sul, volume I)

Local

Lisboa

Data

1978

Autor(es)

ESPANCA, Túlio

Título

Juromenha, Elvas e Alandroal: algumas reflexões em torno de fortificações islâmicas e cristãs do curso médio do Guadiana, Boletim Cultural Cira, nº7, pp.111-128

Local

Vila Franca de Xira

Data

1997

Autor(es)

CORREIA, Fernando M. R. Branco

Título

A fortaleza de Juromenha. Contributo para o estudo e conservação da muralha islâmica de taipa militar, Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade de Évora

Local

Évora

Data

2000

Autor(es)

BRUNO, Carla Patrícia de Abreu