Saltar para o conteúdo principal da página

Torre de Val-Boim - detalhe

Designação

Designação

Torre de Val-Boim

Outras Designações / Pesquisas

Torre de Vale Aboim / Pomar de Vale de Boim / Torre de Val-Boim / Torre de Vale Aboim / Pomar de Vale de Boim(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Torre

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Évora / Portel / Portel

Endereço / Local

Estrada Porte l- Vera Cruz de Marmelar
Vera Cruz de Marmelar

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 41 191, DG, I Série, n.º 162, de 18-07-1957 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Localizada a cerca de 4Km de Portel, esta antiga torre senhorial tem sido votada ao esquecimento, carecendo de estudos monográficos rigorosos e de um projecto de valorização. Na origem terá sido uma torre de vigia, embora seja de supor que possa ter desempenhado funções residenciais, eventualmente em conexão com outras estruturas já desaparecidas.
É de planta quadrangular de três pisos, atingindo os 12 m de altura, sendo as faces marcadas exteriormente por janelas que não são já originais e que datam, presumivelmente, de uma época bem tardia, quando a estrutura foi adaptada a pombal. No topo Sul, ainda se identifica uma seteira, elemento importante para caracterizar a sua função militar. No interior, o imóvel encontra-se completamente abandonado, tendo ruído já pisos e apoios estruturais, o que dificulta o reconhecimento da sua organização e hierarquia funcional de espaços. Ainda é possível perceber, no entanto, que o piso térreo tinha cobertura em abóbada nervurada.
A avaliação histórico-artística do monumento enfrenta, por tudo isto, inúmeros problemas de concretização. Desconhece-se a cronologia exacta de edificação e os promotores da obra, assim como não é possível relacioná-la com outras construções próximas. Túlio Espanca admite que ela possa estar ligada ao primeiro donatário de Portel, D. João Peres de Aboim, que entrou na posse desta parcela de território no reinado de D. Afonso III. No entanto, a estrutura que chegou até hoje é já posterior. A janela do primeiro piso apresenta um perfil aparentemente apontado, o que parece indicar uma filiação estilística gótica, ou tardo-gótica. Por este facto, admite-se que a torre possa ter sido levantada no século XVI, mas não existe certezas a este respeito.
Por volta de 1750, a torre foi intervencionada pelos então donatários. A propriedade foi aproveitada para coudelaria e junto à torre edificou-se um complexo monumental de transição entre o Rococó e o Neoclássico, organizado a partir de dois pátios de forma rectangular, antecedidos por tanque-bebedouro de grandes proporções. Um dos pátios é fechado pela casa do superintendente, solar de características nobres aberto por portal axial com a data de 1769. Paralelamente, existem muitas outras dependências (estrebarias, cavalariças, celeiros e palheiros) que testemunham a função de uma coudelaria setecentista de grandes proporções.
Nas imediações, restam vestígios de uma pequena cerca de carácter fundiário que, a estar relacionada com a torre, pode indicar ter-se tratado de uma propriedade senhorial de pequenas dimensões. Falta, no entanto, identificar outras estruturas de apoio que certamente terão existido no século XVI.
PAF

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal - vol. IX (Distrito de Évora, Zona Sul, volume I)

Local

Lisboa

Data

1978

Autor(es)

ESPANCA, Túlio