Saltar para o conteúdo principal da página

Casa da Quinta do Morgado - detalhe

Designação

Designação

Casa da Quinta do Morgado

Outras Designações / Pesquisas

Casa dos Gafanhões / Casa da Quinta do Morgado / Quinta dos Gafanhões / Quinta de São João da Madeira (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Conjunto

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Aveiro / São João da Madeira / São João da Madeira

Endereço / Local

Travessa de São Francisco Xavier
São João da Madeira

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 100/2014, DR, 2.ª série, n.º 30, de 12-02-2014 (ver Portaria)
Despacho de homologação de 19-11-1975
Parecer de 7-11-1975 da 4.ª Subsecção da 2.ª Secção da JNE a propor a classificação como IIP
Proposta de classificação de 7-12-1972 da DGAC

ZEP

Portaria n.º 100/2014, DR, 2.ª série, n.º 30, de 12-02-2014 (sem restrições) (ver Portaria)
Anúncio n.º 14515/2011, DR, 2.ª série, n.º 196, de 12-10-2011 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 13-10-2010 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 10-09-2010 da DRC do Norte

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Originalmente designada por Quinta de S. João da Madeira, esta casa pertenceu, primeiro, a João Nunes Cardoso Gouveia, Cavaleiro Fidalgo da Casa Real e Cavaleiro da Ordem de Cristo, que foi também 3º Senhor do Couto e Honra do Gafanhão. Na verdade, sabe-se que a quinta é propriedade da família Côrte-Real desde 1523, mas pouco ou nada se conhece sobre a sua história anterior. A sua denominação actual deve-se ao facto de ter sido instituída em Morgado, do qual foi último titular Manuel Cardoso Rangel de Quadros Côrte Real.
Acede-se à quinta através de um portal de verga recta, encimado pela pedra de armas dos Côrte-Real, que se abre para o terreiro que antecede a fachada principal da casa. Esta, desenvolve-se em dois pisos, organizando-se numa composição que denuncia a sua distribuição funcional - os serviços no piso térreo e, no andar nobre, a residência. Os vãos são rectos, com moldura de cantaria simples, mas o andar nobre é aberto por um conjunto de janelas de sacada que enquadram a entrada principal. Ao contrário do habitual, a porta não se encontra exactamente ao centro do alçado, mas mais à direita, acedendo-se-lhe através de uma escadaria de lanço único com guarda de volutas.
Muito embora o edifício original remonte ao século XVI, a casa que hoje se observa é, certamente, uma construção ou reconstrução posterior, sendo que muitos dos seus elementos apontam para uma obra setecentista.
Para além da casa principal, a Quinta do Morgado conta com uma série de outras construções de cariz popular, que se destinavam a apoiar as actividades agrícolas e respectivos trabalhadores.
(RC)

Imagens