Saltar para o conteúdo principal da página

Casa da Pedra e Jardim - detalhe

Designação

Designação

Casa da Pedra e Jardim

Outras Designações / Pesquisas

Casa das Águas Férreas / Casa da Pedra / Casa das Águas Férreas(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Porto / Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória

Endereço / Local

Rua das Águas Férreas
Porto

Número de Polícia: 25, 35, 39 e 43

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Despacho de encerramento de 20-06-2005.

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Numa das zonas desde sempre mais movimentadas do Porto, entre Ramalde e a zona ribeirinha, perto da Rua de Cedofeita, e fazendo esquina com a Rua da Boavista, fica a rua das Águas Férreas e a Casa da Pedra, singelo edifício urbano, em zona onde uma nascente de águas sulfúreas havia dado origem ao topónimo. Esta moradia serviu de residência ao escritor e filósofo Oliveira Martins, durante a sua estadia no Porto como administrador do Caminho-de-Ferro da Póvoa. A casa celebrizou-se então por ser o local de encontro dos intelectuais da Geração de 70, em tertúlias dinamizadas por Antero de Quental, , Eça de Queirós, Guerra Junqueiro, ou Ramalho Ortigão, os quais, com Oliveira Martins, compunham o célebre Grupo dos Cinco.
A casa, construída no século XVIII, possui um jardim murado, e abre para a rua por um pequeno portal com um frontão recortado, decorado com uma flor-de-lis. Este jardim, em desníveis que acompanham as diferentes cotas das ruas limítrofes, integra algumas amenidades, como uma fonte, um tanque de granito, e esculturas decorativas, entre as quais uma escultura em homenagem a Oliveira Martins, da autoria do artista plástico José Rodrigues, aí colocada pela Câmara Municipal do Porto em 1995. A moradia em si é um corpo de planta rectangular, escalonada, constituída por rés-do-chão e primeiro andar articulados com um anexo térreo, de linhas muito simples. Ainda hoje é propriedade particular, com função residencial. SML

Imagens