Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja da Misericórdia da Sertã - detalhe

Designação

Designação

Igreja da Misericórdia da Sertã

Outras Designações / Pesquisas

Edifício e Igreja da Santa Casa da Misericórdia da Sertã (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Castelo Branco / Sertã / Sertã

Endereço / Local

Rua da Misericórdia
Sertã

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 653/2014, DR, 2.ª série, n.º 151, de 7-08-2014 (ver Portaria)
Despacho de homologação de 29-05-2003 do Ministro da Cultura
Parecer favorável de 7-05-2003 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 22-12-2000 da DR de Castelo Branco do IPPAR para a classificação como IIP
Despacho de abertura de 23-11-1987 do vice-presidente do IPPC
Proposta de abertura de 28-08-1987 do IPPC

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Instituída cerca de 1547, a Misericórdia da Sertã terá edificado a igreja da sua irmandade nos anos que se seguiram à fundação, quando era seu provedor o alcaide-mor da Sertã, Vicente Caldeira. A 13 de Novembro de 1569 o hospital da vila era anexado aos bens da irmandade, por alvará régio de D. Sebastião.
À semelhança do que sucede com a maior parte das Misericórdias em Portugal, também a Misericórdia da Sertã foi implantada no centro da vila, tornando-se um dos pólos da urbe, situada perto dos centros de poder local. A estrutura deste templo corresponde ao modelo de "igreja-tipo" de Misericórdia (MOREIRA, Rafael, 2000, p. 151), apresentando planta de nave única sem capela-mor que forma um espaço unitário, articulado com a sacristia e dependências. O programa decorativo da igreja, tanto exterior como interiormente, é muito sóbrio e depurado, verificando-se o mesmo nas casas do consistório. Esta simplicidade de gosto poderá relacionar-se não só com as directrizes evangélicas contrarreformistas, que exultavam a simplicidade dos templos, mas também com a situação periférica da vila, ou até mesmo com alguma falta de meios económicos por parte da irmandade, que não poderia desta forma executar uma obra de maior esplendor.
As fachadas apresentam-se rasgadas por diversas janelas de peito e de sacada, tanto no primeiro como no segundo registo, todas de moldura recta simples, apresentando guardas de ferro forjado. Os únicos elementos decorados são efectivamente os portais, o da igreja e o do pátio que dá acesso às dependências, cujas molduras rectas simples são rematadas superiormente, o primeiro por pináculos, o segundo por um frontão de volutas ladeado por fogaréus e encimado por cruz.
Interiormente, a igreja é coberta por tecto de madeira tripartido, com armas da Misericórdia ao centro, pintadas por Joaquim da Silva Motta, possuindo coro-alto ao fundo, com nave decorada por lambril de azulejos. Junto ao arco triunfal foi colocada a sepultura do alcaide-mor Vicente Caldeira, e de sua mulher D. Isabel de Alcobia. A capela-mor possui retábulo de talha dourada, possivelmente elaborado nos primeiros anos do século XVII, e é igualmente decorada por painéis de azulejos, todos de temática mariana, com representações da "Anunciação","Visitação", "Natividade" e "Apresentação no templo".
Catarina Oliveira
IPPAR/2004

Imagens

Bibliografia

Título

A Sertã e o seu Concelho

Local

-

Data

-

Autor(es)

FARINHA, Pe. António Lourenço

Título

Capela da Santa Casa da Misericórdia da Sertã

Local

Castelo Branco

Data

1916

Autor(es)

MACEDO, José Marques

Título

As Misericórdias: um património artístico da humanidade, 500 Anos das Misericórdias Portuguesas, pp. 135-164

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

MOREIRA, Rafael